O menosprezo pela população.

O que há de comum entre greve de professores de universidades federais, policiais federais, servidores públicos federais, reformas de escolas atrasadas em Alagoas, o artigo de um desembargador aposentado, Aloísio de Toledo César, publicado no Estado de São Paulo no dia 4 de agosto, criticando o governo pela falta de leis punitivas aos líderes grevistas e o ministro da justiça José Eduardo Cardoso?

Simples. Todos estes eventos menosprezam os cidadãos.

Alguns deles até procuram conversar, sensibilizar e trazer a população para o seu lado. Outros não. Estes apenas subestimam nossa capacidade de pensar e agir.

Os professores universitários estão parados há muito tempo. É óbvio que trazem prejuízo para os estudantes. Alguns, prestes a se formar, terão que esperar mais tempo. Muitos de nós sabemos do desgaste emocional que isto acarreta. Projetos de trabalho e sonhos serão interrompidos ou cancelados. É um transtorno.

Com a paralisação dos servidores públicos o cidadão comum será diretamente afetado.

Das greves a que mais causa impacto e provoca maiores danos é o dos policiais. Especialmente a da Polícia Rodoviária Federal. Podem, se quiserem, parar o país.

Com as “blitz” ou operações padrão provocaram nesta semana enormes engarrafamentos. E em várias rodovias. E continuam a fazê-los. Por serem autoridades constituídas, podem revistar qualquer veículo ou pessoa. E não temos como reclamar do transito ou furar o bloqueio. Pois, se assim agirmos seremos sumariamente detidos. Por desacato. Não temos a quem recorrer? Ficamos de mãos atadas. É covardia.

Todas estas paralisações têm suas razões. Necessitam criar fatos sociais para terem suas reivindicações divulgadas. Publicadas. De maneira a trazer a população para o seu lado. No entanto, existem outras maneiras de conseguirem a visibilidade desejada. Pois, também não adianta fazer greve em casa. Ou ficar calado. Tem que sair às ruas.

O segundo semestre escolar começou. Não em Alagoas. Várias escolas estão sendo reformadas. E ainda não terminaram. Talvez em setembro. Existe mais descalabro do que esse? O governo estadual não viu isso? Não se planejou? Não exigiu, das empreiteiras, agilidade? E agora, os alunos como ficam? Onde está o governador Teotônio Vilela Filho que deixa alagoanos no desamparo? Seria o caso dos pais entrarem na justiça contra o estado exigindo reparação por danos morais. Afinal, o futuro dos seus filhos está sendo jogado no lixo.

Os policiais rodoviários federais solicitaram uma audiência com o ministro da justiça, José Eduardo Cardoso. Ele não pode recebê-los. Não tinham agendado previamente a reunião e o ministro só trabalha mediante agenda. Entendeu presidenta Dilma? Naturalmente Eduardo Cardoso quis mostrar autoridade. O governo não pode ser acuado. Mas, pelo visto, a população pode. Ah Burocrata mor!

E, para finalizar, o desembargador aposentado vem com artigo querendo punição, mediante lei, a todos os grevistas. Será que este senhor não tem outra ideia que não seja a punição? Tantos anos de estudo para nada. Bem, no artigo pinta um cenário catastrófico. Relembra o motivo do golpe de 1964. Que, saudosista que é, chama de revolução. Cita a reforma de base de maneira superficial. Apela para os sentimentos do povo escrevendo sobre como as criancinhas também são afetadas por esses movimentos. Ou seja, ele pensa que o povo não pensa. Será que o Aloísio de Toledo César está clamando por outro golpe?

De tudo que expus fica claro que somos menosprezados por várias esferas do poder. E pela mídia em geral.  Porém percebam o nosso poder. Sem apoio popular não há governo que se sustente. Nem greve que tenha êxito. Nem desembargador aposentado que vá para frente.

A democracia não pode ser ameaçada. Ela tem que ser aperfeiçoada. O diálogo é o caminho. Sempre.

Anúncios

Qual a sua opinião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s