A banalidade da palavra “traidor” leva a fins trágicos.

Judas traindoTrair, ser um traidor é um dos atos mais vis que alguém ou alguma coisa pode perpetrar contra outrem.

O traidor só atinge quem nele confia. O traidor não trai ao inimigo, só aos amigos. Pode ser uma instituição, associação, empresa, exércitos, esposa, filhos, parentes. A seta da traição atinge o alvo em cheio

Os traídos reagem de maneiras diferentes: às vezes ficam sem palavras, olhando no vazio, não querendo crer no que aconteceu. Decepcionados. Aturdidos. Outros utilizam a violência. Intempestivos, passionais.  Mas nenhum fica sem resposta.

O ato em si é tão repugnante que mesmo aqueles que se beneficiaram da traição não confiam no tal agente.

Se fez com ele, vai fazer comigo. Por que não? Somos melhores que os outros? Com certeza não.

Por isso, a palavra trair só deve ser usada em casos extremos. Quando a traição é feita por puro prazer sadomasoquista. Quando só a ele interessa a traição.  E, quando ninguém mais dela se beneficia.

Judas pode ser considerado um traidor? Biblicamente não. Cristo já sabia que seria entregue aos romanos, por quem e quando. Era seu destino. E de Escariotis também. Fora os trinta dinares.

Hitler foi um traidor? Com certeza sim. Pergunte ao Stalin, se vivo fosse. Assinou um pacto de não agressão e não cumpriu. Aliás, utilizou tal tratado e esperou o momento certo para atacar.

No Brasil temos alguns casos típicosde traição.

Nos tempos da ditadura, cabo Anselmo foi um traidor. Participava dos movimentos, ganhou a confiança dos companheiros e sem-mais-nem-menos virou a casaca. Denunciou a tudo e a todos. Não obteve riqueza. E hoje é uma triste figura, ainda vivendo escondido de seus medos.

E o caso da parabólica, quando Carlos Monforte, repórter da Globo, entrevistava Rubens Ricupero e numa conversa informal, sem saber que o canal estava aberto, este fez uma inconfidência, isso em 1994, houve traição ou foi um erro dos técnicos?  Quem se beneficiou da fala indiscreta do então ministro da fazenda e mentor do plano real? Ele foi traído. E depois, queimado na fogueira do jogo político.

E Pedro Collor é um traidor? A meu ver não. Ele delatou todo um esquema de corrupção montado pelo seu irmão presidente. No entanto, com seu gesto beneficiou a democracia recém-instalada.

E a Nicéia Pitta? Foi uma traidora?  Não. Pois, novamente a democracia e os paulistanos foram beneficiados com a delação.

E o soldado americano Bradley Manning, acusado de entregar milhares de documentos secretos para o site Wikileaks se encaixa nesta postura pérfida? Não. Em sua defesa argumenta que não concordava com o comportamento atroz dos americanos no Iraque. Com isso evitou muitos assassinatos e matanças.

E o caso mais recente: Edward Snowden pode ser considerado traidor? Não. Os benefícios, advindos de sua atitude, conheceremos daqui a algum tempo. Ele fez desse mundo um mundo mais justo. Certo?

Por conseguinte a palavra traição, devido a sua força maléfica, dever ser proferida com muito cuidado. Esse chapéu não cabe na cabeça de qualquer um.

A maioria dos que foram tachados de traidores tiveram fins trágicos. Sem os merecer.

Trair e coçar é só começar. Lamentavelmente.

Anúncios

Qual a sua opinião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s