Uso da TV Cultura pelo governo paulista com fins partidários-eleitoreiros.

 

rodavivaO Texto abaixo é de Paulo Moreira Leite, atual diretor da IstoÉ,  comentando as recentes mudanças de apresentadores no  “Roda Viva”, TV Cultura.

Ele mesmo fez parte da equipe quando Marília Gabriela ancorava o programa.

É o uso da mídia com fins partidários e eleitoreiros.

 

“Menos hipocrisia na Cultura, por favor…

A decisão de demitir e contratar apresentadores no “Roda Viva” é política. Não tem nada a ver com “rumos do jornalismo”

É bom controlar a hipocrisia quando se fala sobre mudanças no programa “Roda Viva”.

O antepenúltimo apresentador, Heródoto Barbeiro, perdeu o posto depois de perguntar sobre pedágios ao governador José Serra. 

Marília Gabriela, penúltima apresentadora, deixou o programa após um ano de casa, apenas, para seguir sua carreira em canais de grande audiência. 

Naquele período a equipe do programa enfrentou pressões fortes e óbvias quando entrevistava personalidades que não agradavam ao governo ou quando demorava um pouquinho a mais para convidar nomes que agradavam. 

 A mais nova mudança foi consumada depois que se bateu um recorde tucano. O “Roda Viva” entrevistou José Serra e Fernando Henrique Cardoso de uma enfiada só, em duas semanas seguidas, sem pausa. 

 O ato gerou protestos formais na Assembleia Legislativa e assim surgiu o convite para o deputado Rui Falcão, presidente do PT, prestar depoimento.

 Não vamos exagerar, portanto. 

 Queiramos ou não, a Cultura é um aparelho político do PSDB paulista há bastante tempo e o único aspecto a lamentar, mais uma vez, é que nada deve mudar daqui para a frente. 

Seu novo presidente, Marco Mendonça, chega ao posto pelas mãos de Geraldo Alckmin, de quem é aliado e protegido. 

O antecessor, João Sayad, ali chegou por decisão de Serra – de quem era aliado e protegido – que então poderia dispor de uma tribuna para a campanha presidencial de 2010. 

Com Mendonça, Alckmin terá auxílio em 2014. 

Sinto vontade de rir quando leio repórteres e colunistas de TV falando do “projeto” de quem chega, ou das “ideias” de quem sai.

Sayad chegou a publicar artigo, nos jornais, dizendo-se “indignado” no momento em que sua saída foi resolvida. 

A decisão de demitir e contratar envolve pura política. Não tem nada a ver com “rumos do jornalismo”. É esquema de poder. 

Foi essa decisão que levou a troca de Paulo Markun, nascido e criado na TV brasileira, por um economista que mal conhecia os programas da casa, como Sayad. 

A permanente decadência da Cultura é deprimente para quem se recorda de seu passado de programas inovadores e de interesse público. Mas é perseguida com tamanho empenho por seus gestores que parece obedecer a um instinto político claro. Jamais dar certo, nunca crescer, para não desafiar as emissoras privadas. 

É uma situação grave e estranha.

Mesmo durante o regime militar, havia uma certa tensão entre o jornalismo e os governantes, como se verificou, de forma trágica, nas pressões que Vladimir Herzog sofreu depois que procurou dar um caráter mais autônomo ao Departamento de Jornalismo. 

As denúncias que ajudaram a levar Herzog para a prisão onde foi assassinado tiveram início com críticas canalhas a seu trabalho na Cultura. 

Aliados da ditadura diziam que fazia um jornalismo não-alinhado com a ditadura militar. 

Olha a ironia. Será que alguém faria essa crítica hoje? 

Num país que não teve capacidade de discutir formas de assegurar a democratização dos meios de comunicação, consolida-se a vitória do pior. Embora sobreviva com verbas públicas, a principal emissora pública brasileira é administrada como se fosse uma instituição privada no pior sentido da expressão. 

Atende aos interesses políticos e eleitorais de quem ocupa o governo de Estado, enquanto emissoras comerciais respondem aos interesses econômicos de seus acionistas. 

O verdadeiro compromisso é este, sendo o resto exatamente o resto. 

 As mudanças que nada mudam na Cultura são assistidas como se fossem o processo mais natural do mundo, sem dizer respeito ao cidadão comum, a sua família, a seus filhos. Nem parece que se trata de uma emissora sustentada com recursos públicos. 

É espantoso”.

 

Anúncios

Qual a sua opinião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s