A mídia será o STF durante uma semana.

bessinha_stf-globo_tvE foi adiado o julgamento do processo apelidado de “Mensalão”. Agora será no próximo dia 26 de Fevereiro de 2014. Á pedido do relator Luiz Fux.

Nos embargos os advogados dos cinco réus  – José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares, José Roberto Salgado e Kátia Rabelo- pedem a absolvição do crime de formação de quadrilha.

Ontem, 20 de Fevereiro de 2014, foram ouvidos os advogados de defesas dos condenados.

Esse adiamento, proposital, tem um objetivo: pressionar dois ministros para que votem a favor da condenação.

São eles: Luís Roberto Barroso e Teori Zavascki, sabidamente, pendentes a absolver os réus deste crime específico.

E quem exercerá  a pressão? A mídia.

Entregues à fúria dos meios de telecomunicações, eles sofrerão coação igual, ou superior, a que foi submetido o ministro Celso de Mello,  meses atrás, quando faltava seu voto para decidir se os condenados teriam ou não direito a um novo julgamento. Lembram-se? A foto de cinco atrizes globais de luto ficou marcada no imaginário.

No caso de Celso de Mello não funcionou, mas não custa nada tentar novamente, não é mesmo? Cada caso é um caso, calcula a imprensa hegemônica.

Então, jornais, noticiários, rádios, políticos da oposição, conservadores  colocarão todos os seus jornalistas, ancoras, repórteres, apresentadores, colunistas, fofoqueiros e demais bichos  para esse fim: manipular a opinião pública a favor da condenação. Colocando os dois ministros contra a parede. Encurralados.

A mídia será o Supremo Tribunal Federal até o dia 26.

E teremos outro final de novela. Bandido contra mocinho. O bem contra o mal.

Bem, se absolvidos os condenados  terão suas penas diminuídas substancialmente.

Mas esse não é o maior problema para os juízes do STF.

O processo 470, que Hildegard Angel chama de “Mentirão”, começará a ruir.  E sabe como é que é:  por onde passa um boi, passa uma boiada.

A tese de dinheiro público virá abaixo e com ela todas as outras, como peças de dominó colocadas de pé, em fileira.

Ministros já se precaveram contra este possível cenário,  Joaquim Barbosa à frente: caso os réus sejam absolvidos de quadrilha eles sairão incólumes do imbróglio. Afinal, pensam, tentaram fazer “justiça”, mas foram impedidos.

Barbosa, o mais preocupado com a imagem, continuará a ser o Batman dos conservadores, de parte da classe média e dos retrógados.

Não digo que ele será super-heroi  para sempre, pois essa “marola” da absolvição poderá se transforma num tsunami e aí… os vilões serão outros.

Abaixo reproduzo as argumentações dos advogados de defesa dos réus. Retirados do site do STF.

Fazer um contraponto é salutar para a democracia.

STF inicia julgamento de embargos infringentes na Ação Penal 470

O Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou, na sessão desta quinta-feira (20), o julgamento dos embargos infringentes apresentados contra o acórdão da Ação Penal (AP) 470 quanto ao crime de formação de quadrilha. Após a leitura do relatório pelo ministro Luiz Fux, relator dos embargos, os advogados de cinco réus condenados pelo crime de quadrilha, previsto no artigo 288 do Código Penal (em sua redação anterior) – Delúbio Soares, José Dirceu, José Genoino, José Roberto Salgado e Kátia Rabelo – realizaram sustentação oral perante o Plenário da Corte. Eles apresentaram alegações e teses de defesa e pediram a absolvição de seus clientes, com base nos votos vencidos no julgamento da AP.

Delúbio Soares

O advogado Arnaldo Malheiros Filho defendeu o réu Delúbio Soares, condenado a 2 anos e 3 meses de reclusão, quanto à imputação do crime de quadrilha. Ele lembrou entendimento do ministro Cezar Peluso (aposentado) sobre o tema, segundo o qual pessoas que se associam para a prática de atividades lícitas como, por exemplo, na constituição de uma empresa, e no curso dessas atividades chegam a delinquir, agem em coautoria, e não em quadrilha. De acordo com Arnaldo Malheiros Filho, Delúbio Soares, José Genoino, José Dirceu e tantos outros “associaram-se com o fim de fundar um partido político, de conquistar o poder e conquistar o Brasil”. “Essa é uma atividade lícita em qualquer regime democrático”, disse, ao salientar que, se no curso dessa atividade lícita o Supremo decidiu que houve um crime, a defesa entende que esse crime não foi praticado por uma quadrilha.

José Dirceu

O réu José Dirceu, condenado à pena 2 anos e 11 meses de reclusão, foi defendido pelo advogado José Luis Mendes de Oliveira Lima. “No nosso entender, as provas produzidas na AP 470 não levam à condenação por crime de corrupção ativa, nem por crime de formação de quadrilha”. O advogado ratificou o que foi dito em agosto de 2012. Para ele, trecho do voto da ministra Carmen Lúcia resume ponto de vista que ficou vencido no Plenário, de que “as provas não demostram terem os acusados se organizado de forma criminosa, com estabilidade e permanência para o específico fim de cometer crimes, praticando o delito tipificado no artigo 288 do Código Penal”. Para o advogado, o Ministério Público banalizou o crime de formação de quadrilha. “Basta a acusação de alguns crimes, a presença de vários agentes e se coloca o crime de formação de quadrilha”, afirmou, ao salientar que não houve ajuste de vontades.

José Genoino

A defesa de José Genoino, condenado a 2 anos e 3 meses, argumentou que seu cliente foi condenado com base em suposições e indícios. Segundo o advogado Luiz Fernando Pacheco, em nenhum momento Genoino participou de associação de mais de três pessoas para a prática de diversos crimes, nem teve a intenção de formar uma sociedade de delinquentes. Conforme a defesa, desde 1980, juntamente com outros corréus na AP 470, ele participou apenas da formação de um partido político. Sustentou também que os núcleos político, financeiro e operacional jamais cogitaram formar uma associação para sobrevirem do crime resultante de sua associação.

José Roberto Salgado

A representante de José Roberto Salgado, que também pede a absolvição de sua condenação a 2 anos e 3 meses, argumentou que o cometimento de delitos reiteradamente não configura o crime de quadrilha, apenas concurso de agentes. Maíra Salomi sustentou, ainda, que além dos dirigentes do Banco Rural, o réu não conhecia os outros acusados pelo crime, tendo tido reuniões apenas com Marcos Valério e com o objetivo de cobrar dívidas. Segundo a defesa, não foi demonstrada pela acusação a existência de organização estável para cometimento de crimes.

Kátia Rabello

O advogado Theodomiro Dias Neto pediu a absolvição da ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello da imputação de formação de quadrilha, alegando que ela não foi comprovada. Sua cliente foi condenada à pena de 2 anos e 3 meses quanto a esse delito. A exemplo de advogados que o precederam, ele disse que, na imputação e condenação de Kátia Rabello, houve confusão na conceituação do crime de quadrilha (artigo 288 do Código Penal – CP), pois este teria sido confundido com o de concurso de pessoas (artigo 29 do CP). Alternativamente à absolvição, ele pediu que a Corte reveja a dosimetria da pena aplicada a sua cliente. Corroborou, nesse sentido, a alegação de outros advogados, de que, na exacerbação da pena pelo crime de quadrilha, a Corte foi muito mais rigorosa do que no agravamento das penas pelos demais crimes a que réus na AP 470 foram condenados.

Anúncios

Qual a sua opinião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s