“A posição do governo é no sentido de que a terceirização não pode comprometer direitos dos trabalhadores. Afirmou a presidenta

 

terceirização  ebc

A presidenta Dilma Rousseff tem ciência dos prejuízos sociais, econômicos e políticos que a aprovação  da PL 4330 trará para o país, especialmente para a classe trabalhadora. Por isso ela se posicionou contra a PL, da forma como está escrita.

Muito ainda há de ser debatido pela sociedade a respeito do projeto. A PL mexe com que há de mais sagrada para o ser humano: sonhos, objetivos e  dignidade.

Colocada dessa maneira tresloucada, atabalhoada para votação os deputados apenas confirmam o que grande parte da população já sabe: estamos diante de um congresso conservador e um presidente da câmara dos deputados, Eduardo Cunha, agindo de maneira destemperada, raivosa, truculenta e com claro objetivo de prejudicar o governo federal, atendendo aos anseios dos derrotados nas recentes eleições.

Enquanto isso o mídia continua no seu trabalho golpista de sempre. Mais uma vez querem indispor Dilma com Lula. Não conseguirão.

 

“A posição do governo é no sentido de que a terceirização não pode comprometer direitos dos trabalhadores. Nós não podemos desorganizar o mundo do trabalho [com essa lei]”, afirmou a presidenta, em entrevista a jornalista

O artigo abaixo foi extraído do site: brasil.gov.br

O tema da terceirização voltou ao centro dos debates nesta quarta-feira (15). A Câmara dos Deputados retomou a votação justamente no dia em que os trabalhadores promoveram intensas mobilizações em todo o país. Na semana passada, a presidenta Dilma Rousseff manifestou preocupação com a aprovação do projeto.

Segundo Dilma, a mudança nas regras de terceirização e nas empresas não pode prejudicar os trabalhadores e tirar direitos e benefícios. “Nós não podemos desorganizar o mundo do trabalho [com essa lei]”, afirmou a presidenta.
Nesta quarta-feira, Dilma recebeu no Palácio do Planalto representantes da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura (Contag) para discutir políticas para o setor. A entidade se posicionou contra a terceirização. “Somos contra. Não podemos admitir que (a terceirização) seja regulamentada dessa forma. Por isso, recomendamos o veto à presidenta Dilma Rousseff”, afirmou hoje o presidente da Contag, Alberto Broch, em entrevista coletiva.
Ontem, a Câmara dos Deputados aprovou a exclusão de empresas públicas e sociedades de economia mista controladas por União, estados, o Distrito Federal e municípios das novas regras de contrato previstas pela terceirização. Cerca de 12,7 milhões de trabalhadores terceirizados estão em atividade no Brasil. O setor registra em média salários 30% mais baixos do que trabalhadores que exercem atividades profissionais com carteira assinada. O modelo de terceirização representa hoje 25% das contratações no mercado de trabalho.
Um duro golpe na Constituição
Para o desembargador do trabalho da 10ª Região, Grijalbo Coutinho, as novas regras para a terceirização representam um duro golpe na Constituição de 1988. “Na prática, os direitos sociais previstos na Constituição terão nenhuma ou reduzidíssima efetividade com as novas regras”, observa Coutinho.
O desembargador também critica a falta de debate sobre o assunto com a sociedade civil e a pressa na votação do projeto. “Essa celeridade evita o aprofundamento das discussões. É necessário que se amplie o debate público na sociedade brasileira sobre os efeitos que terceirização impõe para o conjunto das relações de trabalho”, propõe o juiz.
Grijalbo Coutinho também alerta sobre os riscos da terceirização para a saúde do trabalhador, uma vez que a redução de custos está “umbilicalmente associada ao caos no ambiente de trabalho”. Adoecimentos pelo cumprimento de longas jornadas, graves acidentes com mortes e mutilações podem ser consequências da falta de legislação adequada, aponta o juiz.
Responsabilidade solidária e quarteirização.
Alguns pontos do projeto chamam a atenção. Um deles é a mudança que a contratação de trabalhadores para atividades-fim nas empresas. Pelas novas regras, tanto as chamadas atividades-meio quanto as atividades-fim passam a ser incluídas em contratos de empresas terceirizadas. Outro ponto polêmico é a responsabilidade solidária. Pela legislação atual, se uma empresa terceirizada deixa de pagar suas obrigações ao fim de contrato, a responsabilidade fica com a contratante.
“Não admitimos a terceirização sem a responsabilidade solidária”, defende José Calixto Ramos, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria (CNTI) e da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST). “As duas empresas precisam ser responsabilizadas, tanto a terceirizante quanto a terceirizada”.
O diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Antônio Augusto de Queiroz, alerta para os riscos advindos da subcontratação, que será possível graças às novas regras. Segundo Queiroz, caso o projeto seja aprovado, as relações trabalhistas passarão pela quarteirização, “um terceiro nível onde não haverá controle”.
O diretor do Diap observa que a terceirização pode se tornar um risco para o desenvolvimento econômico do País. “Em um momento de ajuste das contas públicas não se pode, em função dessa necessidade, prejudicar a classe trabalhadora, que é a principal base de sustentação da nossa economia”, atesta Augusto Queiroz.

Anúncios

Qual a sua opinião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s