O governo federal deveria se pronunciar sobre os casos Zelotes e HSBC.

Zelotes e HSBCA reunião sobre cortes no orçamento não chegou a um consenso comum. Levy (fazenda) pediu uma tesourada de 80 bilhões, Mercadante (casa civil) propôs 60 bilhões e Nelson Barbosa (planejamento) ficou no meio termo.

Levy falou: se não diminuir o orçamento em 80 bi terá que aumentar impostos.

Todos esses cortes são necessários para que a meta do superávit primário seja de 1.3% do PIB. A ideia é que se recupere a confiança dos investidores. E o Brasil volte a crescer.

Muito bem, é a discussão e a fórmula de neoliberal de sempre.  

No entanto, com a adoção dessas medidas o sacrificado novamente será o trabalhador e apenas ele, pois, a sua área de manobra é pequena. A massa assalariada não consegue sonegar, esconder, corromper, então só sobra protestar, e com toda razão.

Mas é difícil pra qualquer cidadão engolir as medidas austeras, e pedir sua compreensão, diante de um quadro de corrupção e sonegação. É lógico.

O que o governo federal tem que fazer é vir a público e explicar que outras medidas para se recompor o caixa estão sendo tomadas.

Quais medidas? Bem, a presidenta e seu ministro da justiça podem começar explicando o que estão fazendo para combater a sonegação e a corrupção, não o da Petrobrás, porque isso a mídia já faz, mas os dos outros escândalos. O Zelotes, o HSBC, o Banestado e a da Globo.

Diz a presidenta que a polícia federal tem toda a liberdade para investigar, o MP público também, ótimo.

Mas cabe lembrar a Dilma e a seu ministro da justiça que há uma hierarquia. Diferentemente que a associação de delegados deseja, a PF é subordinada a ambos. E tem que obedecer. É republicano e essencial que seja assim. Uma nau sem comando não chega a lugar nenhum.

Ora, esperamos acima de tudo que o Eduardo Cardozo imponha a sua autoridade, liberdade não significa libertinagem, e coloque seus agentes a serviço da nação. Ou é a PF é quem decide o quê e quando vai investigar? Assim não dá. O ministro precisa distribuir tarefas. Tal equipe faz isto, outra aquilo e por aí vai.

Me posiciono dessa forma porque espero ouvir da presidenta, em rede nacional, que o governo está firme no combate à corrupção. Que o Eduardo formou uma força tarefa especial com delegados e auditores fiscais republicanos, neutros, corajosos e comprometidos, para que assumam as investigações da operação Zelotes.  Um dos maiores esquemas de sonegação.

Que os estimados 19 bilhões sonegados serão cobrados.  Que os corruptos e os beneficiários do esquema serão punidos.

E não só isso, que o escândalo de evasão de divisas do HSBC está na mira do governo também. Que todos os 8.700 brasileiros envolvidos serão examinados e cada tostão desviado será repatriado. Estima-se que montante movimentado chegue a 7 bilhões.

Que todas as empresas sonegadoras serão multadas e cobradas.  Só a Globo deve 1 bilhão de reais. Isso é notório.

Que o caso Banestado será reaberto e dinheiro desviado, uma bagatela de 124 bilhões de reais, voltará para o Brasil.

E que afirme mais: cada real recuperado será usado para compor o superávit primário, aliviando os cortes no orçamento da união, tirando o ônus das costas do trabalhador.

Está na hora desse pronunciamento. A nação precisa tomar ciência desses casos de corrupção, que não envolvem o PT. Que o governo está tomando providências. Que ela não é pautada pela mídia. Pois, se ela espera que a Globo ou os jornalões noticiem e deem o mesmo destaque que deram aos casos “mensalão” e “Petrobrás”, pode ir deitando, porque sentada vai cansar.

Anúncios

Qual a sua opinião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s