Porque não se reunir com Fernando Henrique Cardoso. Nunca!

charge-bessinha_fhc-e-a-faca-pra-sangrarMais uma da mídia: fazem uma das suas tantas perguntas idiotas a um membro do governo federal, se o bicho cair é publicado, se não é esquecida e parte pra outra.

A mais recente “isca”, fisgada pelos auto escalão de Dilma, diz respeito a possível sinalização de que o governo federal e Lula querem conversar com FHC sobre os rumos políticos/econômicos/sociais do país.

A fofoca caiu feito uma bomba. Prato cheio para as mais mirabolantes elucubrações mentais e deduções insanas: a Dilma e o PT estão sem rumo, de joelhos vão procurar conselhos ao grande sábio Fernando.

Jornalistas, do mundo obscuro, afirmam ser comum reunião entre ex-presidentes, aliás, como exemplo, citam aquele país, símbolo e glória dos entreguistas, como fato corriqueiro.

Chamam alguns especialistas a analisar o que se esconde por trás desse beija-mão.

Discute-se nos trens, metros, trabalho, escola, faculdade, boteco e etc. essa solicitação de Dilma e Lula. Uns são contra outros à favor. Fla X Flu, Corinthians X Palmeiras. O que mais se ouve é o “quem pariu Mateus, que cuide”. E mais se escuta é o :kkkkk, rsrsrsrsr, ahahahaha de deboche.

Entrevistado, Fernando manda os dois “lamber-sabão”, não deseja salvar, o que não merece ser salvo. E coloca a língua pra fora da boca. Terminada tão elevada explanação se recolhe na sua mediocridade.

Pronto, está aí mais uma mentira transformada em verdade absoluta.

O instituto Lula desmentiu categoricamente. Mas ninguém dá ouvidos. O palácio do planalto manteve o mais alto grau de republicanismo e não se pronunciou. Ficou elas-por-elas.

Atingido os objetivos, apequenar e sujar a imagem da presidenta, a imprensa começa a trabalhar em outros mexericos. E a população é obrigada a discutir este assunto por no mínimo uma semana. Até cansar.

Mas vamos aos fatos.

Porque não se reunir com Fernando Henrique Cardoso. Nunca!

Ele é prepotente, arrogante. Não tem diálogo, porque esse tipo de pessoa só tem boca. Com ele ou é palestra ou nada. Escutar não é a dele. E, óbvio, saber ouvir, saber falar é a base de qualquer conversação.

Ele é um sujeito que não gosta do Brasil, tem nojo do povo brasileiro e quando vai ao exterior toca a falar mal do país, em inglês. É o único ex-presidente que desdenha da capacidade dos seus concidadãos de produzir, de empreender, de criar de realizar.

Se apropriou da paternidade de plano real (o FHC sempre teve problemas com paternidade), em detrimento de Itamar Franco e Rubens Ricupero. E a mídia tratou de uma tornar essa apropriação uma verdade.

Quebrou o Brasil três vezes. Em 2002 promoveu reunião com os quatro candidatos à Presidência da República mais bem colocados nas pesquisas: Luis Inácio Lula da Silva (PT/PL), Ciro Gomes (Frente Trabalhista), José Serra (PSDB/PMDB) e Anthony Garotinho (PSB) para explicar o empréstimo de US$ 37 bilhões feitas juntas as três instituições financeiras, Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Mundial (Bird) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) . Ele passou a ideia de que foi um grande feito.

Fernando Henrique Cardoso e o PSDB trabalham pelo golpe de estado. Se fizeram dentro da democracia, mas não têm respeito pela mesma.

O ex-presidente é o “ex” mais odiado pela população.

Portanto, falar com uma pessoa desse calibre, dessa inconstância é perda de tempo. O outro lado nunca saberá se ele está ou não sendo sincero.

Ou converse, mas sempre com um pé atrás. Faça como o rei Leônidas fez no filme 300 de Esparta: finja que escuta, só pra cumprir o protocolo e, depois tome suas próprias decisões, Dilma Rousseff.

Anúncios

O desemprego no Brasil e na Europa: onde mesmo está a crise?

Artigo extraído do jb.com.br

O desemprego no Brasil e na Europa: onde mesmo está a crise?

Taxas na França, Portugal, Itália, Espanha e Grécia são bem mais altas do que a do país

Os últimos números divulgados pelo IBGE apontam que a taxa de desemprego no Brasil ficou em 6,9%, em junho. Internamente, a taxa é alardeada como claro sinal de uma grave crise econômica. Contudo, quando comparamos a taxa do Brasil com as da Europa, é claro constatar que a situação no Brasil está longe de ser alarmante, como insistem em afirmar.

Na França, onde não se houve falar de crise econômica, a taxa foi de 10,3% em maio. No Reino Unido e na Alemanha, países que estão longe de sofrer com as recentes turbulências, os percentuais são de 5,6% (abril) e 4,7% (maio), respectivamente.

Na Itália, a taxa foi de 12,4% em maio, e em Portugal, de 13,2% no mesmo mês. O cenário é ainda mais dramático na Espanha: 22,5% em maio; e na Grécia: 25,6% em abril.

>> Confira aqui os números da Eurostat

Gráfico mostra percentuais de desemprego na Europa
Gráfico mostra percentuais de desemprego na Europa

O FT compara o Brasil a um “filme de terror sem fim”.

filme de terrorDeu no Financial Times: Com o título “Recessão e politicagem: a crescente podridão no Brasil”, a publicação diz que os recentes fatos levam o Brasil a ser comparado a um “filme de terror sem fim” e que, diante do risco de impeachment da presidente Dilma Rousseff, “tempos piores ainda podem estar por vir”.

O FT acertou quando comparou o que acontece no Brasil a filme de terror, não a um único e sim a vários, cujos os atores protagonistas são: Fernando Henrique”Jason –Sexta-feira 13” Cardoso, Aécio “Freddy Krueger” Neves, José “Drácula” Serra, Geraldo “Michael Myers” Alckmin. Criado, produzido, dirigido, roteirizado pelos Irmãos “Jogos Mortais” Marinhos, donos da grande produtora Globo.

E como todo filme de ficção sem fim sua história é requentada e reapresentada com novos recursos tecnológicos.

Os Irmãos “Jogos Mortais” Marinhos vendem como episódios novos, tentando tirar proveito do fanatismo de alguns, a falta de maturidade e de conhecimento de outros. Mas a maioria sabe a verdade: não passam de remakes baratos de antigas produções de 1954, 1961, 1964. Algumas emplacaram, outras não.

E as que deram certo jogaram o país na obscuridade e no atraso total. Décadas vivendo no mundo dos monstros assassinos.

Toda staff de sabujos é posta a colocar essa nova embalagem, porém a história é sempre a mesma: um paranóico, esquizofrênico, psicopata, redivivo volta e mata muitos com requintes de crueldade. Dizem as más línguas que alguns roteiristas, aqui chamados de colunistas, articulistas, apenas transcrevem, sem tirar uma vírgula, artigos do passado, enganando assim quem lhes paga. Afinal, o falecido Roberto Civita, dono da Veja, talvez tenha razão quando chamava os Irmãos “Jogos Mortais” Marinhos de Os três patetas, mas isso não vem ao caso, agora.

No filme os loucos assassinos detestam ver felicidade dos outros, tal como no Brasil, acabam com a festa, com a prosperidade, espalhando o terror e muito sangue, que por acaso é vermelho. Com o pânico disseminado, é mais fácil matar um por um. Completamente amedrontados, as vítimas não conseguem pensar com clareza e se tornam presas fáceis, assim como a população brasileira.

Mas no final sempre resta um figurante que consegue vencê-los. O mal não pode vencer o bem.

Nem o mais sanguinolento desses produtores tem capacidade e estrutura para “bolar” um mundo de trevas eternas.

No mesmo artigo o FT reconhece que as instituições brasileiras têm mostrado força e exalta a prisão de executivos das maiores construtoras brasileiras.

O Brasil, a Dilma, a democracia serão os sobreviventes. E esses dantescos personagens subirão no barco de Creonte, sem dinheiro, e voltarão ao mundo subterrâneo.

Por que dos nomes?

Fernando Henrique”Jason –Sexta-feira 13” Cardoso – Com esse não tem conversa, chega e mete a peixeira. Conversar pra que? se ele é único dono de toda verdade do mundo,

Aécio “Freddy Krueger” Neves – Esse só surge quando alguém dorme no ponto. Caso do Tancredo Neves. Falador, adora torturar antes. E aí daquele que apontar o dedo pra ele, principalmente se tiver na segurança do pesadelo.

José “Drácula” Serra – Com sua voz de boa praça tenta seduzir antes de chupar o sangue. É despossuído de ideias novas.

Geraldo “Michael Myers” Alckmim – Mata, mas as vezes demonstra algum sentimento. Foi o único que tentaram um tratamento.

Irmãos “Jogos Mortais” Marinhos, donos da grande produtora Globo. Aprontam as maiores atrocidades e ficam de longe, gozando do desespero dos outros. Tem que ter muito dinheiro pra elaborar aqueles ambientes de terror. E dinheiro público. E ainda saem de bonzinhos.

A mídia está criando uma sociedade movida pelo ódio.

amor-odioA falta de regulamentação da mídia está criando um país onde o único denominador comum na sociedade é o ódio.

Um ódio direcionado. Com alvo certo, a esquerda de um modo geral, o PT, o Lula, a Dilma.

Ministério Público, a Policia federal, Justiça trabalham alimentados por esse sentimento torpe.

O prefeito de São Paulo teve o IPTU embargado, o MP embargou a construção de ciclovias e agora volta à carga contra a redução de velocidade nas vias públicas. Isto nunca aconteceu. A prerrogativa dessas mudanças cabe exclusivamente ao município decidir e legislar. Um representante da OAB afirmou que até para mudança de mão de rua a população tem que ser consultada. Imaginem a loucura. Nunca, nenhum desse órgãos teve esse comportamento em administrações passadas. A explicação é porque Fernando Haddad é do PT, só por isso.

O instituto Lula frequentemente é citado nas matérias da Folha de S.Paulo com um antro mafioso. Vejam só, o instituto foi criado depois que Lula deixou a presidência. Com doações particulares. Exclusivamente de empresas particulares. Foi evento transparente. Mas a perseguição da mídia é implacável. O mesmo não ocorre com o IFHC, que até doação da estatal SABESP obteve. E surgiu enquanto o Fernando Henrique Cardoso ainda era presidente. A reunião de fundação foi feita com os empresários dentro do palácio do planalto. O jantar pago com o dinheiro do contribuinte. E a imprensa, na época, elogiou o feito. Pode existir maior cara-de-pau desse meios de comunicação.

Lula está sendo acusado de tráfico de influência. Então lutar pelas empresas brasileiras no exterior virou sinônimo de tráfico, de lobbysmo? Bom mesmo é o que FHC, Serra, Alckmin, Aécio fazem: vão lá fora falar mal do Brasil e fazer lobby de empresas estrangeiras. O José Serra desmerecendo a Petrobrás na cara-dura. Só a Chevron, só os americanos têm -capacidade de explora o pré- sal. Esses caras é que deveriam estar sendo investigado. Parodiando o Ricardo Boechat: vão caçar uma rola.

E a mídia continua a mentir sobre os fatos. No Globo saiu reportagem que o ex-presidente intercedeu pela Odebrecht junto ao governo português. Fato desmentido imediatamente pelo primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, hoje (20). Disse o ministro. “O ex-presidente Lula da Silva não me veio meter nenhuma cunha para nenhuma empresa brasileira. Para ser uma coisa que toda a gente perceba direitinho, é assim. Não me veio dizer: há aqui uma empresa que eu gostava que o senhor, se pudesse, desse ali um jeitinho. Isso não aconteceu. E nem aconteceria, estou eu convencido, nem da parte dele, nem da minha parte”. Aqui no Brasil pode não parecer, mas o fato é que isso não é jornalismo. É maledicência. É fazer o leitor de trouxa.

Eduardo Cunha, presidente da câmara dos deputados é um despreparado, destemperado, desequilibrado, arrogante, chantagista, acusado de cometer diversos atos ilícitos. E em delação da Lava Jato o réu, Julio Camargo, afirmou que “foi pressionado por Eduardo Cunha (PMDB-RJ) a pagar propina de US$ 5 milhões em troca de um contrato com a Petrobras. Também acusou o deputado de ser sócio oculto de Fernando Baiano, suspeito de intermediar repasses ao PMDB”. Um sujeito com um passado obscuro deveria estar preso ou com o rabo-entre-as-pernas. Mas não. A cara de pau é tão grande, a confiança na impunidade é tão certa que ele se acha no direito de ameaçar a presidente Dilma com Impeachment. Só isso. Este senhor se acha no direito de jogar toda uma nação na lama pra salvar o traseiro. Nem apelando pra Jesus Cristo esse covarde deveria ter salvação.

O juiz Moro, como era de se esperar, depois de causar paralisações no parque industrial, tenta amenizar o ocorrido sugerindo acordo de leniência com as empreiteiras. Moro o estrago está feito. Você não vai prender corrupto nenhum. Os únicos que pagaram o pato foram os empregados demitidos e a economia brasileira. Esse processo não vai dar em nada, porque ele foi concebido pra dar em nada. O objetivo era pegar de alguma forma o PT, o Lula e a Dilma. O senador Aécio foi denunciado, o que senhor fez? Sei, isso “não vem ao caso”. Usou como desculpa a de não envolver políticos com foro especial pra não perder o poder de julgamento e investigação. Mas, o do Eduardo Cunha veio ao caso, por quê? Acabou o fôlego. Seus quinze minutos de fama findaram. A mídia cansou de esperar por uma atitude veemente.

Todos esses disparates, esse absurdos, essas incoerências, essas parcialidades, essas loucuras mencionadas são produtos do ódio. Tem respaldo da população porque a população foi contagiada pelo ódio. Essas pesquisas de desaprovação à Dilma só servem aos senhores de sempre, pois elas estão poluídas pelo ódio. Um ódio mentiroso.

É um crime o que a imprensa hegemônica faz com a sociedade brasileira.

“Cesare Beccaria entendia o fenômeno social crime através da ótica da racionalidade: o sujeito faz um cálculo racional cujo produto, isto é, sua escolha, é o crime. Em outras palavras, trata-se do produto de uma escolha racionalmente calculada cujo fruto é irracionalidade – o crime é a escolha racional errada”. Assim espero. E que a mídia pague por esse crime.

O suborno está para essa súcia de golpistas, assim como o sangue para o vampiro.

tcuReproduzo abaixo mensagem enviada ao conversaafiada.com.br

O Conversa Afiada recebeu sinistro e-mail de amigo navegante:

“Sou técnico do TCU e fã de seu blog. Preciso dizer aqui minhas impressões sobre o rebatimento da Politéia no TCU. Nas minhas contas, Aroldo Cedraz, Raimundo Carreiro e Zé Múcio constavam como votos favoráveis à aprovação das Contas de Dilma de 2014. E foram justamente eles os citados nas últimas reportagens sobre a Lava-Jato. Os dois primeiros delatados forçadamente pelo Ricardo Pessoa e o último já é mencionado em reportagem sobre os “feitos” do Tiago Cedraz. Uai, moço, só eu que estou vendo que estão coagindo o TCU a reprovar as contas, porque Augusto Nardes não aparece em escândalo algum. Logo Nardes, que pulou do castelo de areia, pouco antes dele ruir! No TCU, muitos sabem do Nardes. Se a imprensa quiser, é só dar uma passadinho no TCU, pois não vao faltar histórias para colher. Mas como ele está se candidatando a Moro do TCU, não vem ao caso… Pelo andar da carruagem, ou vota pela reprovação das contas ou vai ter a reputação esquartejada em praça pública”.

Este e-mail só vem a corroborar o que já sabemos: a sem-vergonhice desse bando de golpistas é tão grande que não é de se espantar que suas armações, tipo essa descrita na mensagem, sejam escancaradas e primárias. Simplórias como as famosas pegadinhas do SBT.

Evidentemente que essa corja pode fazer coisa melhor, “roliudiana”. Mas não querem. É perder tempo com mau defunto.

E o mau defunto é o povo brasileiro. Facilmente manipuláveis.

É da índole deles esse menosprezo. Esse desrespeito. Os cidadãos, pra essa matilha, não passam de Homer Simpson, como o William Bonner afirmou certa vez em reunião.

Preocupação mínima, por isso usam abertamente da chantagem. A PF ameaça com prisão. E a mídia com execração, eterna, em praça pública.

Em tempo. A desconstrução da imagem de uma pessoa ou instituição é uma das mais poderosas armas da imprensa. Tanto que o Jornalista Luiz Carlos Azenha, do site viomundo.com.br,   declarou que irá descrever, em livro, detalhadamente como O Globo e associados tentaram praticar com ele o tradicional assassinato de caráter da mídia corporativa brasileira. Mais detalhes no artigo http://www.viomundo.com.br/denuncias/globo-consegue-o-que-a-ditadura-nao-conseguiu-extincao-da-imprensa-alternativa.html.

No e-mail, o autor afirma que o TCU está sendo vítima de coação (chantagem).

Conclui-se o seguinte: a ideia é municiar os golpistas, reprovando as contas de Dilma. E pra lastrear sua desconfiança dá como exemplo o “sumiço” do Augusto Nardes, envolvido na extinta Operação Castelo de Areia.

“Se o STF, com a caneta do ministro Luís Barroso, não tivesse aniquilado a Operação Castelo de Areia, Augusto Nardes também seria alvo de investigação específica por conta de uma ampla documentação apreendida com executivos da Camargo Corrêa. Nos papéis, e-mails, anotações e planilhas, o nome do ministro do TCU estava relacionado a propinas em obras públicas”. Carta Capital, por Rodrigo Martins — publicado 10/07/2015.

Mas ele é a pela reprovação, enquanto os outros não. O tratamento é diferente.

É complicado aceitar este comportamento escroto por parte dessas instituições, porque os envolvidos não são santos. E, se tudo comprovado, bandidos, ladrões do mesmo naipe do diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costas.

No entanto essas mesmas instituições ( Policia Federal, Ministério Publico Federal) são republicanas na essência, tem que ter algo bem claro na sua maneira de pensar; bandido procede como bandido. As posturas não podem ser a mesma. Senão vira uma esculhambação, certo?

As forças democráticas brasileiras não podem permitir o golpe “branco”. Os golpistas costuram o impeachment de Dilma Rousseff.

Sabemos que todas essas operações e CPIs têm um único objetivo: derrubar um governo democraticamente eleito. Fizeram com Getúlio, tentaram com JK, e concluíram com Jango.

Os reacionários têm um único objetivo: derrubar um governo democraticamente eleito.

Acabar com a corrupção? Passa longe.

O suborno está para essa súcia de golpistas, assim como o sangue pra o vampiro.

Manifesto, não à quebra da legalidade. Contra o golpe.

Manifesto

Nós, militantes  de movimentos populares, sindicais, pastorais e partidos políticos, manifestamos o que segue:

1.Não aceitaremos a quebra da legalidade democrática, sob que pretexto for.

2.O povo brasileiro foi as urnas e escolheu, para um mandato de quatro anos, a presidenta da República, 27 governadores de estado, os deputados e deputadas que compõem a Câmara dos Deputados e as Assembleias Legislativas, assim como elegeu para um mandato de 8 anos 1/3 do Senado Federal. Os inconformados com o resultado das eleições ou com as ações dos mandatos recém-nomeados têm todo o direito de fazer oposição, manifestar-se e lançar mão de todos os recursos previstos em lei. Mas consideramos inaceitável e nos insurgimos contra as reiteradas tentativas de setores da oposição e do oligopólio da mídia, que buscam criar, através de procedimentos ilegais, pretextos artificiais para a interrupção da legalidade democrática.

3.O povo brasileiro escolheu, em 1993, manter o presidencialismo. Desde então, a relação entre o presidente da República e o Congresso Nacional já passou por diversas fases. Mas nunca se viu o que se está vendo agora: a tentativa, por parte do presidente da Câmara dos Deputados, às vezes em conluio com o presidente do Senado, de usurpar os poderes presidenciais e impor, ao país, uma pauta conservadora que não foi a vitoriosa nas eleições de 2014. Contra esta maioria eventual que no momento prevalece no Congresso Nacional – disposta a aprovar uma reforma política conservadora, a redução da maioridade penal, o estupro da CLT via aprovação do PL 4330, a alteração na Lei da Partilha, dentre tantas outras medidas – convocamos o povo brasileiro a manifestar-se, a pressionar os legisladores, para que respeitem os direitos das verdadeiras maiorias, a democracia, os direitos sociais, os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, os direitos humanos, os direitos das mulheres, da juventude, dos negros e negras, dos LGBTT, dos povos indígenas, das comunidades quilombolas, o direito ao bem-estar, ao desenvolvimento e à soberania nacional.

4.A Constituição Brasileira de 1988 estabelece a separação e o equilíbrio entre os poderes. Os poderes Executivo e Legislativo são submetidos regularmente ao crivo popular. Mas só recentemente o poder Judiciário começou a experimentar formas ainda muito tímidas de supervisão, e basicamente pelos seus próprios integrantes. E esta supervisão vem demonstrando o que todos sabíamos desde há muito: a corrupção, o nepotismo, a arbitrariedade e os altos salários são pragas que também afetam o Poder Judiciário, assim como o Ministério Público. O mais grave, contudo, é a disposição que setores do Judiciário e do Ministério Público vem crescentemente demonstrando, de querer substituir o papel dos outros poderes, assumir papel de Polícia e desrespeitar a Constituição. Convocamos todos os setores democráticos a reafirmar as liberdades constitucionais básicas, entre as quais a de que ninguém será considerado culpado sem devido julgamento: justiça sim, justiceiros não!

5.A Constituição Brasileira de 1988 proíbe a existência de monopólios na Comunicação. Apesar disto, os meios de comunicação no Brasil são controlados por um oligopólio. Contra este pequeno número de empresas de natureza familiar, que corrompe e distorce cotidianamente a verdade, a serviço dos seus interesses políticos e empresariais, chamamos os setores democráticos e populares a lutar em defesa da Lei da Mídia Democrática, que garanta a verdadeira liberdade de expressão, de comunicação e de imprensa.

6.Um consórcio entre forças políticas conservadoras, o oligopólio da mídia, setores do judiciário e da Polícia trabalham para quebrar a legalidade democrática. Aproveitam-se para isto de erros cometidos por setores democráticos e populares, entre os quais aqueles cometidos pelo governo federal. Os que assinam este Manifesto não confundem as coisas: estamos na linha de frente da luta por mudanças profundas no país, por outra política econômica, contra o ajuste fiscal e contra a corrupção. E por isto mesmo não aceitaremos nenhuma quebra da legalidade.

7.Concluímos manifestando nossa total solidariedade à luta do povo grego por soberania, democracia e bem-estar, contra as imposições do capital financeiro transnacional.

Em defesa dos direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras!

Em defesa dos direitos sociais do povo brasileiro!

Em defesa da democracia!

Em defesa da soberania nacional!

Em defesa das reformas estruturais e populares!

Em defesa da integração latino-americana!

Brasil, 1 de julho de 2015

Assinaturas

Adriana O. Magalhães (direção CUT SP)

Allan Rodrigo Alcantara  (Coordenação do Setorial Nacional Comunitário do PT)

Anderson Dalecio (militante do PT)

Anekesia Oliveira (militante do movimento feminista e da direção do PT/Mossoró)

Angela Mendes (Comitê Chico Mendes – AC)

Angelita de Toledo (Secretária Estadual de Formação Política do PT-SC)

Anivaldo Padilha (Metodista, CPMVJ)

Augusto Pinto (ator e diretor teatral)

Bruna Brezolim  (Secretária de Cultura da Executiva Nacional da JPT)

​Bruno Cenci Martinotto (militante do PT)

Carlos Teodosio (Instituto AMA – Anatália de Melo Alves)

Cirio Vandresen (Secretário Estadual de Movimento Populares PT-SC)

Conceição Oliveira (blogueira)

Clóvis (Fisenge)

Danielle Ferreira (JPT)

David Soares de Souza (secretário de formação política do PT de João Pessoa)

Edma Walker (militante do PT)

Eliane Bandeira ( Executiva Estadual da CUT/RN)

Flávio Jorge (Conen)

Giovane Zuanazzi (diretor de movimentos sociais da UBES)

Giucélia Figueiredo (militante do PT)

Ibero Hipólito (secretário geral do PT/RN)

Ivana Laís – Secretaria Estadual da JPT-SC

Jandyra Uehara (executiva nacional da CUT)

João Antônio de Moraes (Federação Única dos Petroleiros, CUT)

Jose Fritsch (militante PT-SC)

José Rodrigues (Presidente do Sindicato dos Comerciários de Mossoró e Tesoureiro da Federação dos Comerciários do RN)

Julia Feitoza (Comitê Chico Mendes/militante PT-AC)

Julian Rodrigues (militante de DH e do PT)

Kaliane Silva (CONTRACS)

Karen Lose (militante do PT)

Kenedy Portella (FEAB)

Lício Lobo (Sindicato dos Arquitetos de SP)

Luis Henrique (Coletivo Quilombo/Secretário Combate ao Racismo da UBES)

Luiz Carlos (militante PT-MG)

Luiz Carlos Martins – Vice-prefeito de Mossoró/RN

Marcio Matos (MST-BA)

Marcos Rezende (CEN)

Mauro Rubem (Presidente CUT-GO)

Múcio Magalhães (executiva PT Pernambuco)

Murilo Brito (militante PT-BA)

Olímpio Alves dos Santos (Senge-RJ)

Orlando Guilhon (FNDC)

Patrícia Pyckos Freitas (Coletivo Nacional de Economia Solidária PT)

Rafael Pedral (ABGLT)

Rafael Pops Barbosa de Moraes (ex-vice-presidente da UNE 2003/2005 e ex-secretário nacional de Juventude do PT 2005/2008)

Rafael Tomyama (Diretório Estadual PT-CE)

Raimundo Bonfim (coordenador geral da Central de Movimentos Populares-SP)

Raimundo Bertuleza – Poty (secretário sindical do PT de Caxias do Sul/RS)

Renato Carvalho (Via do Trabalho)

Ricardo Gebrim (Consulta Popular)

Rodrigo César (militante do PT)

Rodrigo Vianna (jornalista)

Rômulo Arnaud (Coordenador Geral do Sindicato do Professores da Educação Pública do RN)

Sandra Alves (Movimento Camponês Popular)

Shakespeare Martins (Direção Nacional da CUT)

Sheila Oliveira (diretório nacional do PT)

Socorro Diógenes (advogada popular)

Taíres Santos (Coletivo Quilombo/UNE)

Tania Slongo – Secretaria Estadual de Mulheres

Tannay Vaz (Presidente da Federação das Associações de Moradores do Estado de SC)

Tarso Genro (militante do PT)

Tiago Soares (EPS/PT)

Valdomiro Morais (Presidente do Sindicato dos Professores da UERN – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte)

Valmir Alves (dirigente do PT/RN)

Valter Pomar (militante do PT)

Yanaiá Rolemberg (executiva municipal PT Aracaju/SE)

Parlamentares

Edegar Pretto (deputado estadual PT-RS)

Deodato Ramalho (vereador PT Fortaleza)

Valmir Assunção (deputado federal PT-BA)

João Daniel (deputado federal PT-SE)

Rogério Correia, deputado estadual (PT-MG)

Entidades

ARPUB (Associação das Rádios Públicas do Brasil)

Central de Movimentos Populares

Consulta Popular

CONEN – Coordenação Nacional de Entidades Negras

CONFETAM/CUT (Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal)

FNDC (Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação)

Marcha Mundial de Mulheres

Movimento Camponês Popular

Adesões a este Manifesto podem ser feitas através do endereço assinaturamanifesto@gmail.com

O adesivo, a mais recente imbecilidade oferecida na internet sobre Dilma.

Dilma RousseffA mais recente imbecilidade oferecida na internet sobre Dilma.

Um adesivo com a imagem de uma mulher de pernas abertas e rosto  da presidenta. O colante é fixado no bocal do tanque de gasolina. Então quando o sujeito vai abastecer o carro a colocação da pistola dá a impressão que o objeto está  sendo enfiado na vagina.

É tão escrota a imagem que preferi descrevê-la ao invés de publicá-la  no post.

O doente mental que concebeu essa aberração é a síntese de  outras injúrias sobre a Dilma, que, diga-se de passagem, não foram combatidas.

Cadê os caras que escreveram no cartaz “Dilma, puta”, “Dilma, vai tomar no c..”, “Dilma  enfia a gasolina no c…” ou “Dilma Anta”, entre outras?

Foram chamados à responsabilidade? Não. Dilma deixou pra lá. O governo nem ligou. A filha não transformou a indignação em atitude. E o mesmo aconteceu com todos seus parentes.

Se a presidenta tivesse tomado medidas legais logo que surgiram os primeiros sinais de ofensas muito disso seria evitado. Porque se há algo de comum entre a canalha é a covardia.

Está barbaridade não pode passar em branco. Se não pela pessoa da presidenta, que aparentemente não está nem aí, mas então que se faça algo pensando nas outras tantas  mulheres que se sentiram insultadas. E se não for por elas também, então pelos seus eleitores ou pela nação brasileira. Ou pelas mães, filhas, esposas, avós, irmãs…

E se nada disso for motivo suficiente, que o governo mostre autoridade e aja.

Os golpistas, diante da inercia governamental, se assanham.

Parlamentares, com a ficha suja, pedem impedimento do governo.  Cássio Cunha Lima, cassado em 2006 por distribuir cheques, exige que a presidenta renuncie (olha a moral deste senhor pra fazer tal pedido).

Esses tipos de pessoas só aparecem quando um governo se mostra fraco. Eles vão testando até onde podem chegar. Quando se sentirem completamente seguros dão o “golpe branco”. O mesmo sofrido por Fernando Lugo, no Paraguai.

A Dilma, se deseja derrotar essas forças reacionárias, se é realmente democrática, se é republicana, se respeita o povo tem que mostrar coragem e determinação. Aqui o sistema de governo é presidencialista.

E se for necessário retire os fracos dos ministérios (ela, mais do que qualquer outro, sabe quem é quem). Só atrapalham, e são péssimos conselheiros.

Tomando providências, mostrando vontade e, principalmente, divulgando resultados pra população, os que ainda defendem seu governo se sentiram mais fortes pra continuar essa empreitada.

“ Temos guardado um silêncio bastante parecido com a estupidez”. Eduardo Galeano.