A escrota da Globo tenta abrandar o impacto das gravações de Sérgio Machado.

globo38E os diálogos de Sérgio Machado vão cair no esquecimento?

Aos poucos a golpista emissora de televisão Globo varre de seus noticiários este bate-papo.

O que seria considerado maior escândalo dos últimos 500 anos da história do Brasil, caso envolvesse gente do PT, vai aos poucos sendo jogado no latão de lixo dos “não vem ao caso”.

Os golpistas bandidos perderam totalmente a prudência, escancaram os seus verdadeiros propósitos: dar o golpe do estado e se protegerem enquanto quadrilha de criminosos.

Vão dividir o país em territórios. Cada um com seu capitão hereditário bandido mandando. E acima deles a criminosa Globo supervisionando o bom andamento da criminalidade.

Nada feito.

Vejam o Gilmar Mendes, herança maldita do maldito Fernando Henrique Cardoso como bem disse PHA, se reuniu no sábado à noite com Temer no Jaburu. Foram tratar do quê? Falaram sobre o quê? Sobre as pregas do vestido de noiva é que não foi.

Esses personagens são conspiradores. Traidores da CF. Será que combinaram o ‘gran-finale” do golpe?

Lula e Dilma presos. PT cassado. Os irmãos de bandidagem livres.

E acéfalos e fascistas gargalhando de alegria.

O Gilmar é o escárnio em pessoa. Não que outros tipo Temer, Cunha, Aécio, Caiado, Agripino e et caterva não sejam. Mas contra esse togado pouco se pode fazer. O STF é imune ao povo. Por enquanto.

O país pegando fogo é o incendiário Aécio Neves na praia, tocando cítara. O Nero de nossos tempos é um cretino sem tamanho. Chamado de golpista por uma banhista caiu fora, fazendo jus ao que o Renan disse sobre ele: um medroso. Nem o Leblon merece sua presença infame.

O pulha golpista do Fernando Henrique Cardoso ia dar palestra sobre democracia no evento organizado pela Associação de Estudos Latino-Americanos (LASA) em homenagem aos 50 anos da entidade. O ex-presidente, ex-sociólogo dividiria um painel de debate com o ex-presidente do Chile Ricardo Lagos, desistiu de faze-lo.

Sabendo que outros intelectuais o repudiariam. O bichinho pôs o rabo entre as pernas e fugiu rapidinho. É o velho ditado: quem deve, teme.

Estes são exemplos do mal caráter de alguns dos homens que usurparam o poder do povo. Tem gente pior, porém descrevê-los um por um daria um livro de 800 páginas. Fica pro futuro.

Estamos num momento crítico da vida do país.

Temos a obrigação de nos rebelarmos contra essa arbitrariedade. Contra esse crime.

É uma tremenda sacanagem com nos mesmo se deixarmos esse bando de marginais concluírem seu golpe e saírem de boa.

Se findo o golpe o Temer governará tranquilamente.

Como vamos nos encarar sabendo de toda essa história de pilantragem?

Como vamos reclamar? Exigir o quê desses patifes? Vamos ficar pondo piadinhas nas redes sociais sobre os políticos escondendo nossa apatia?

Inventando desculpa do tipo: “era feliz e não sabia”, “não disse: pior sem ela”, “político é tudo igual”, “fazer o quê? Manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Ou como digo, no início desse blog, “não posso fazer nada, estou me virando”.

Vamos continuar assistindo ao Luciano Hulk? Chorar com suas patacoadas? Torcer por este ou aquele BBB?

E quando os direitos dos trabalhadores, a saúde e educação públicas forem pra cucuia? O que faremos? Apelar aos militares?

Não!

A saída está em nós mesmos. Em nossa força. Na nossa indignação. No agora.

Após a divulgação dos diálogos de Sergio Machado não podemos ficar inerte.

Ficou muito claro a trama do Golpe. O porquê do golpe.

A partir deles só não entende os motivos do golpe quem não quer. Quem não leu, quem não se interessou em saber. Ou acredita no que o JN golpista mostrou sobre a conversa. Ou realmente quem quer ser feito de trouxa de novo; e mesmo assim o cara ainda tem ser um psicopata insensível.

Se esses tipos nefastos de golpistas ladrões não se importam com o Brasil, nós nos importamos.

Temos que tomar atitudes. Radicais.

As mulheres, no domingo último, invadiram o STF. Penduraram calcinhas manchadas de vermelho. Denunciaram o Gilmar, o STF.

Jogaram objetos naquela estátua ridícula (ridícula porque os próprios ministros do Supremo a tornaram ridícula) ridiculamente protegida por seguranças.

É o que temos que fazer. Lutar com todas as armas.

Não dar descanso a esses marginais golpistas.

E se preciso for enfrentar com violência a violência com que eles nos açoitam.

Não ao GOLPE! Fora Temer! Volta Dilma! Viva o povo brasileiro!

Anúncios

O Jornal Nacional de ontem foi fruto de uma intensa negociação, é o que revela uma fonte do blogue.

vergonha alheiaA Globo tem que acabar. É coisa de bandido o tratamento que seus editores, jornalistas, colunistas dão a favor do golpe.

Artigo do site viomundo.com.br

O Jornal Nacional de ontem (“dia 23/05”) foi fruto de uma intensa negociação, é o que revela uma fonte do blogue.

O áudio da conversa entre Romero Jucá e Sérgio Machado fez com que os luas pretas da Central Globo de Jornalismo trocassem inúmeras mensagens e realizassem uma reunião de emergência logo cedo.

A primeira decisão foi esperar para ver qual seria a repercussão. E pela manhã tanto a GloboNews quanto o G1 trataram do assunto de forma suave e sem muito destaque.

Na Globo, porém, a avaliação era de que não havia saída para o agora licenciado ministro do Planejamento. E a mensagem foi enviada para Temer através de Wellington Moreira Franco.

O carioca não precisava ser convencido.Teria dito que iria buscar convencer Jucá a se afastar ou renunciar ao cargo, mas que não seria uma tarefa tão simples.

Durante o dia a Globo foi cobrindo o tema de uma maneira bem menos explosiva do que, por exemplo, o áudio vazado do ex-senador Delcídio. Ou do grampo ilegal da conversa entre Lula e Dilma.

Só ao final da tarde, quando a solução do afastamento de Jucá já havia sido negociada por Temer é que se decidiu por fazer um Jornal Nacional onde o caso teria destaque relevante. E que se liberou os âncoras e comentaristas da GloboNews para que pudessem tratar de forma mais intensa do assunto.

Até aí, nada muito surpreendente. A não ser pelo fato de que o sinal de que não seria necessário aliviar para Jucá teria partido da equipe de Temer, segundo a fonte do blogue.

A avaliação dos que fizeram a ponte com a Globo era a de que o tratamento da saída de Jucá não deveria ser o de um simples afastamento, mas o de uma demissão, para que Temer não saísse tão desgastado.

Não foi à toa que a apresentadora do JN, Renata Vasconcellos, abriu a nota sobre o caso fazendo bico para falar que Jucá foi “e-xo-ne-ra-do”.

E que o presidente interino apareceu no meio da reportagem dizendo ao repórter da GloboNews “que tudo iria se resolver e que estava tudo tranquilo”.

A narrativa que ficou acordada era de preservar Temer e rifar Jucá.

E por isso, o restante do bloco, não por acaso o último, foi dedicado a noticiar os principais trechos do áudio da conversa divulgada pela Folha, evitando repercutir muito o assunto e a crise que o áudio gerou.

Antes, porém, houve tempo para falar muito da crise da Venezuela e do caso que pode levar o governador de Minas, Fernando Pimentel, a ser cassado.

Segundo a fonte deste blogue, Jucá percebeu que seria rifado e falou grosso na reunião que teve com Moreira Franco e Eliseu Padilha. E num momento mais explosivo teria dito que se fosse jogado ao mar poderia fazer o mesmo que Sérgio Machado, referindo-se a delação que o ex-presidente da Transpetro negociou.

Também não por acaso, ontem, depois disso tudo acontecer e quando dava uma entrevista conturbada no Congresso que um repórter da GloboNews se aproximou dele e perguntou à queima roupa:

– O senhor está pensando em fazer delação premiada?

Jucá ficou atordoado e saiu sem responder. Mas a pergunta não estava fora de contexto. Teria sido pedida por um dos editores ao jovem jornalista.
Era um aviso para Jucá dos seus amigos do PMDB de que a ameaça já havia vazado. E de que a Globo não iria preservá-lo.

Jucá não tem mais condições de voltar ao governo e sabe disso. O que ele busca agora é se livrar da prisão. E para que isso não aconteça ele vai precisar da Globo e da mídia que citou como parte da articulação do impeachment. Por isso, muito provavelmente, mesmo tendo entendido tudo que lhe aconteceu, vai ficar quieto. Mas só se escapar. Caso não, toda essa operação pode virá à tona e ainda com um número muito maior de detalhes.

Como a garota do Rio, Dilma foi também vítima de estupro coletivo.

http-fotospublicas.s3.amazonaws.com-wp-content-uploads-2015-12-OC_protesto-contra-o-impeachment-de-Dilma-Rousseff-em-Sao-Paulo_0027-740x494Extraído do site diariodocentrodomundo.com.br.

 

Como a garota do Rio, Dilma foi também vítima de estupro coletivo.

Há algumas diferenças, no entanto.

Uma é que os homens que a brutalizaram estavam certos da impunidade. De Eduardo Cunha a Aécio, de Caiado a Gilmar Mendes, de FHC a Alckmin, dos irmãos Marinhos a seus fâmulos nas redações, dos complacentes ministros do STF aos deputados e senadores que disseram sim, de Jucá a Renan, de Moro aos delegados da PF, de Temer a Cristovam Buarque – todos sabiam que o crime não teria castigo, porque representavam a plutocracia que domina e achaca os brasileiros.

Outra diferença é que mulheres ajudaram no estupro. Um exemplo notável é Marta Suplicy. Eleita por milhões de pessoas que jamais aprovariam o impeachment, Marta ajudou no estupro de que foi vítima Dilma com seu comportamento indecente. É como se ela gritasse aos homens que violentavam Dilma: “Não parem, não parem, não parem”. E eles não pararam, para alegria infame de Marta.

Outra mulher presente ao estupro foi a ministra Rosa Weber. Ela conseguiu, depois do suplício a que Dilma foi submetida, intimá-la a dizer por que ela anda dizendo que o estupro foi estupro.

Uma terceira mulher relevante no ataque feroz foi a advogada Janaína Paschoal. Ela foi paga pelo PSDB de FHC, Aécio e Serra para produzir a peça de impeachment afinal aceita pelo principal estuprador, Cunha. Isso quer dizer: ela pretensamente legitimou o estupro. E acompanhou tudo ensandecida.

De Janaína pode-se dizer que vibrou, como se tomada por uma entidade do mal, com o que os homens fizeram com Dilma. A seu lado, na vibração incontida em que arremessava a cabeça para cá e para lá, estava um nonagenário que se revelou um câncer, uma metástase, uma zika para o Brasil, Hélio Bicudo.

Marina também incentivou os estupradores, com a torcida para que eles pegassem Dilma. Não esqueçamos disso: a participação de Marina. Mulheres cúmplices no jornalismo foram muitas, de Míriam Leitão a Eliane Cantanhede, de Dora Kramer a Cristiana Lobo.

Como Dilma sobreviveu é um mistério. Quer dizer, um mistério relativo. Para quem sofreu torturas dos militares por tanto tempo em masmorras, nenhuma violência é insuperável.

Os brasileiros têm uma chance, ou uma obrigação, de reparar o horror perpetrado pelos estupradores.

Basta devolver a Dilma o que lhe foi roubado no estupro, e punir seus estupradores, um a um.

 

Sobre o Autora
Erika K. Nakamura, 36 anos, advogada de formação, abraçou a fotografia e o jornalismo por paixão. Com seu iPhone 5 capta imagens originais e surpreendentes dos lugares pelos quais passa. É uma leitora sedenta de livros sobre a história da Inglaterra — e também dona do coração do jornalista Paulo Nogueira.

As autoridades e instituições brasileiras devem explicações à nação.

romero jucaApós a divulgação da conversa entre Romero Jucá e Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, as autoridades e instituições brasileiras devem explicações à nação.

Nitidamente eles explicaram o motivo do golpe de estado. A presidenta Dilma tinha que cair, porque os facínoras precisavam estancar, acabar com a operação Lava Jato.

Os dois conspiradores citaram o STF, as Forças Armadas.

Há de se perguntar:

Quem são os ministros do Supremo Tribunal Federal golpistas?

Quais os nomes dos militares das FA que apoiam o golpe? A Patente? E o que os levou a apoiarem os conspiradores claramente marginais?

Por que o Procurador Geral da República sentou em cima dessas gravações e não tomou providencias para que o Golpe de Estado não se efetivasse? Será Janot também membro dessa camarilha de ladrões? Se for, ladrão é.

Quem vazou a conversa?

Por que só agora?

Por que o senador Delcídio foi preso imediatamente por tentar obstruir a operação Lava Jato e Romero Jucá não?

As peças do quebra-cabeça conspiratórios ficam claras. Judiciário, legislativo, PGR, MPF, PF e o traidor Temer. Atores envolvidos até o pescoço na trama.

Destaque especial para a Rede Globo. Pai e mãe de todos os golpes.

A Dilma se deixou pautar pela canalha.

Agora tem que reverter esse quadro.

Prender quem tem que prender. Expulsar o traidor. Impedir quem merece. Demitir quem conspirou. E reserva a quem apoio.

E, pelo amor de Deus, cassar a concessão da Globo.

Essa quadrilha solta é uma afronta aos brasileiros.

E o questionamento final:

Que escândalo os golpistas/bandidos estão urdindo para desviar a atenção dos brasileiros desses diálogos reveladores?

O Bonner ontem se ausentou do JN. É preocupante. Só o diabo sabe o que este pseudo-jornalista está fazendo.

Prender o Lula? A Dilma? Pode ser.

Não ao Golpe! Fora Temer! Volta Dilma!

Manifestação em frente à casa do golpista, traidor Michel Temer.

povo sem medo 5Ontem dia 22 de Maio de 2016 houve mais uma manifestação contra o usurpador Temer e seus asseclas.

Organizado pelo movimento chamado “Povo sem Medo” os manifestantes se reuniram no Largo da Batata, Pinheiros, São Paulo.

As 15 Horas saímos em passeata em direção à casa do famigerado Michel Temer, notório traidor e usurpador de votos.

Era uma multidão, cerca de 30 mil pessoas. Diversificada. Havia branco, negro, pardo, índio, pobres, classe média. Mulheres, homens, gays, trans, crianças, velhos, adolescentes. Famílias. Mas acima de tudo, trabalhadores. Gente, que diferentemente dos usurpadores, vivem honestamente.

Cantando. Gritando palavras de ordens caminhávamos num ambiente de fraternidade, de união e de alegria.

Quando nos olhávamos víamos nos olhos uns dos outros o brilho da esperança, da certeza de quem tem a razão ao seu lado.

A Marcha entrava no local da moradia do traidor, Alta do Pinheiros.

Pra quem não conhece é um bairro “nobre”. Classe média alta, casarões, muros altos, condomínios de luxo, ruas largas e limpas, arborizadas. Praças lindas e cuidadas.

Alguns moradores, diante do barulho, saiam nas sacadas. Sentia estranha sensação. Tinha a nítida impressão que estávamos  passeando num zoológico, vendo aqueles animais tão esquisitos a nos observar.

E os seus semblantes transpareciam espanto, interrogação, desprezo e perplexidade pela ousadia de aquela gente perturbar a paz burguesa. Brancos, todos. Criados à leite Ninho.

Aproximávamos da residência do golpista Michel Temer. A quantidade de policiais aumentava. Até que nos deparamos com uma barreira de PM´s.

Estacamos, de lá não passaríamos.

A primeira linha de militares era composta de soldados notadamente novos. Sem um porte físico avantajado. Sem capacete, ou qualquer outro equipamento de proteção. Atrás deles oficiais e a tropa de choque. Esses PM´s imberbes foram postos ali de propósito. Qualquer provocação ou tentativa de pular a barreira resultaria em feridos, de ambos os lados. Era a deixa. O Choque entraria em ação, com violência exacerbada. E justificaria as atrocidades mostrando soldados feridos.

Mas não houve esse confronto.

Criou-se um impasse.  Nós não entraríamos na área cercada, mas também não sairíamos dali.

Os líderes do movimento formaram uma comissão, entre eles Guilherme Boulos e Ivan Valente, e foram conversar com os oficiais.

Enquanto conversavam, os outros manifestantes se revezavam em discursos. Uma das frases marcante foi quando uma coordenadora disse: deve ser triste para um PM ficar protegendo ladrão. E deve ser mesmo. Foi ovacionada.

Bem, o resultado do diálogo com os policiais foi o seguinte: eles não poderiam entrar e ponto final. Ordem superior.

Boulos ao microfone falou: bem já que não podemos entrar na zona de exclusão, nós dali também não sairíamos. E mais, montaríamos acampamento e só nos retiraríamos quando Michel Temer revogasse a anulação da contratação de 11 mil moradias do programa “Minha Casa, Minha Vida”, já assinada por Dilma Rousseff.

O pessoal rapidamente montou as barracas. Inclusive a emblemática lona preta.

Era nítido o incomodo da PM.

Os oficiais chamaram novamente os manifestantes. Ali no meio da rua não poderiam montar tendas. Direito de ir e vir dos moradores.

Os líderes sugeriram a praça ao lado então. Os policias ficaram de ver.

Passado alguns minutos vieram com a resposta: Não!

O confronto era inevitável.

Boulos pediu para que idosos, mulheres com criança saíssem dali e fossem imediatamente para estação do Metrô.

povo sem medo 3Aos outros solicitou que sentassem e não reagissem. E assim fizeram.

Cantando palavras de ordem esperaram. Não muito, porque PM não tem paciência.

Começou a espocar bombas de efeito moral, de gás lacrimogênio, balas de borracha e canhões de água. Este carro com o canhão de água foi uma surpresa. Até agora não sabemos onde estava escondido. Vai ver que na casa de algum morador

povo sem medo 4E o resto foi o de sempre. Correria. Gente passando mal. Desmaios e choros.

Mas a vitória foi nossa. Críamos um fato. O mundo está sabendo que o brasileiro é um povo digno. Que vai resistir ao golpe.

Não aceitaremos retrocessos.

Que bandidos se apoderaram do poder. Derrubaram uma presidenta honesta, sem crime de responsabilidade algum e legitimamente eleita.

Se só a luta é o caminho, então que trilhemos juntos esse caminho.

Não ao Golpe! Fora Temer! Volta Dilma!

E, pelo amor de Deus, quando voltar casse a concessão da Globo.

Temer teria sitiado Dilma no Palácio da Alvorada.

http-fotospublicas.s3.amazonaws.com-wp-content-uploads-2015-11-AC_Eduardo-Cunha-entrega-medalha-meriro-legislativo-para-Michel-Temer_18112015002-740x486Extraído do site diariodocentrodomundo.com.br

Viralizou nas redes sociais, na noite desta quinta, uma denúncia segundo a qual Dilma estaria “sitiada” no Palácio da Alvorada. Um jornalista com acesso às reais informações contou ao DCM o que está ocorrendo. Abaixo, seu relato:

O negócio é o seguinte. Dilma não tem mais a menor segurança sobre a sua segurança. O gabinete de segurança institucional (GSI) da Presidência é ocupada agora por um militar linha dura, o general Sergio Etchegoyen. Foi o primeiro a aderir a Temer. E ele é ninguém menos que o filho do general Leo Etchegoyen, citado no relatório da Comissão Nacional da Verdade.

O filho não perdoa Dilma por isso. Por conta da memória “afetuosa” do pai. Ele criticou muito o governo dela por isso. A informação é pública e você acha no Google.

Assim, o fato é que o GSI controla todos os aspectos da segurança presidencial, começando pela barreira instalada no Jaburu.

Qualquer pessoa que entrar para seguir ao Alvorada tem de se identificar. Foi o que ocorreu com Jorge Viana, hoje. Ele é o vice-presidente do Senado. E estava acompanhado do próprio Renan.

Então, some todos os fatos ocorridos nos últimos dias. Das demissões de todas as secretárias do 3° andar do Planalto, passando pela humilhação ao Catalão, garçom mandado embora por ser “petista demais”, estão pegando pesado. isso se chama retaliação.

O GSI sabe quem entra e sai do Alvorada. Portanto, todas as visitas a Dilma são informadas ao general Etchegoyen. Não dá para afirmar, mas é evidente que eles podem até mesmo grampear o Alvorada — lembre-se o grampo feito na conversa da própria Dilma com Lula, ocorrida semanas antes da primeira fase do impeachment passar pela Câmara. Aliás, este foi o gatilho para criar o clima que engrossou a crise política.

Então, desde a semana passada há um clima de tensão entre o GSI provisório e a presidenta eleita. Eles reduziram, por exemplo, a segurança dela. Para você ter ideia, a negociação para ela utilizar o jato Legacy não ocorreu em condições normais. Não foi num clima civilizado. Afinal, queiram ou não, Dilma foi afastada do cargo, mas ainda é a presidenta eleita. E o governo liderado pelo usurpador quer asfixiá-la. Os novos ocupantes do Planalto querem o aniquilamento político dela.

A questão do avião é muito sensível.

Tanto que, na Justiça Federal, os golpistas já entraram com ações para impedi-la, por exemplo, de usar aviões da FAB ou qualquer tipo de “mordomia”. Isso ocorreu no Rio Grande do Sul.

Então, o clima é, digamos, inamistoso.

E o GSI, obviamente, trata de dissimular isso. Mas hoje, no “Radar” da Veja — aqui: http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/impeachment/dilma-tem-helicoptero-e-comitiva-para-viagem-negados/ — Vera Magalhães publicou que Dilma pediu helicóptero para se deslocar para a base aérea. E quis usar o “Number One”, o avião presidencial.

Mentira.

A FAB negou que isso tenha ocorrido. O Alvorada negou que isso tenha ocorrido. Mas o governo provisório bancou e insiste que tal fato ocorreu. A Presidência manteve a informação para o Radar. Veja no pé da nota de Vera. E, o Alvorada insiste, isso não ocorreu. Não é verdade.

Então, é evidente que há um cerco a Dilma. Em pleno Alvorada.

A Linha Dura do GSI sabe qualquer passo dela. E, evidente, informa tudo o que ocorre no Alvorada ao presidente provisório. Daí porque Jorge Viana ficou furioso. Da tribuna do Senado, fez estardalhaço. Quer que Temer se comporte com decência. Que se comporte como um democrata. E, por fim, Jorge fez “o apelo” para que o estado de sítio imposto ao Alvorada seja suspenso.

O governo provisório – é assim que deve ser nominado — não quer que o povo chegue lá perto dela. No domingo, pessoas daqui de Brasília querem ir para a porta do Alvorada e saudar Dilma. Isso deve ocorrer pela tarde, às 16 horas. O GSI vai ter de se explicar.

O que está acontecendo não é lorota. É sacanagem mesmo. Chegou-se a avaliar levar Dilma amanhã no encontro de blogueiros com transporte alternativo.

É assim que o governo provisório usa do poder presidencial para impedir Dilma de ir pra rua.

Geraldo Alckmin parece coroinha, mas é um fascista.

geraldo pimespQue o Geraldo Alckmin é um fascista disfarçado de coroinha de paróquia do interior nós já sabemos, o que não sabíamos: ele é  muito fascista.

Suas atitudes arbitrárias, o uso da violência indiscriminada contra os PPP(Preto, Pobre e Petista), suas desculpas estapafúrdias e justificativas escabrosas diante de fatos revelam um ser humano frio e calculista.

Pessoa desprovido de sentimentos. Incapaz de enxergar o outro, de entender as demandas da população. O que faz do governador um cidadão despreparado pra viver numa democracia, de ser político. Principalmente no Brasil. Uma nação com tanta diversidade e injusto social e economicamente.

Os estudantes secundaristas encontram-se mobilizados.

Protestam contra o desvio de verbas da merenda e o pouco caso que as autoridades estaduais vêm dando ao fato.

Ontem dia 18 de maio houve mais uma passeata.

Passeata esta interrompida brutalmente pela polícia do governador.

A PM já havia distribuído cacetadas e usado spray de pimenta indiscriminadamente. Apanharam professores, pais, alunos e profissionais da imprensa.

Não contente, fizeram formação em linha cortando o caminho por onde a passeata iria passar. Isto aconteceu ao lado da estação República do Metrô.

Os estudantes vendo os policiais pararam. Não avançaram contra a barreira. Ficaram cantando e gritando palavras de ordem.

Os agentes  ali parados, dando risadinhas provocativas, me pareceu não profissionais da segurança mas simples membros de uma gangue de bairro brigando por território.

Até que os manifestantes ensaiaram um enfrentamento. O que seria um suicídio, pois havia o Choque do outro lado da praça, fora da visão da passeata, prontos a entrar em ação.

Os manifestantes seriam massacrados. Primeiro pela desproporcionalidade de números. Havia mais dos elementos da gangue fardada do que alunos. E estes estavam armados. Segundo, os estudantes tinham em média 16 anos e um ou outro com um corpo mais forte, na maioria eram frágeis, pequenos.

O Metrô fechou as portas, seguranças se portaram na entrada com a cara de pitbulls.

Oras bolas! Uns brutamontes com medo de crianças.

Sem outra alternativa os manifestantes aos poucos se dispersaram. Era nítido a frustração.

Alguns mais exaltados esbravejavam diante do sentimento de impotência, derrota e da injustiça perpetradas contra eles.

Venceu a arrogância e a força bruta.

Nada de negociação ou argumentos.

É assim que Geraldo Alckmin, governador do estado de São Paulo, trata quem lhes enfrenta.

É assim que o fascismo vai dominando a sociedade.

O ódio destruindo o amor.