Carta aberta à população

À população.

Prezados compatriotas

Somos do Movimento Nacional pela Anulação do Impeachment (MNAI). Temos dois anos de existência.  A militância é formada por  trabalhadores, aposentados, estudantes, artistas, professores e etc. Este movimento surgiu espontaneamente durante as manifestações contra o golpe que se avizinhava. Temos comitês em vários estados. Nos reunimos ao menos uma vez por semana e possuímos página no facebook e twitter para maiores informações.

Nosso objetivo é derrotar o golpe de estado e os golpistas,  resgatar a democracia vilipendiada pelos usurpadores como almejam  outros grupos democratas e progressistas.

O que nos difere deles é o alvo da nossa luta e os mecanismos que usamos. Enquanto alguns querem “Diretas Já”, outros preferem garantir as eleições de 2018 com Lula  candidato. Nós queremos que o STF julgue o Mandado de Segurança impetrado pela defesa de Dilma Rousseff que solicita a anulação do impeachment, pois acreditamos que julgando o mérito fatalmente o impeachment será anulado e a Dilma reconduzida ao cargo de presidenta. Se isto ocorrer  as maldades a nós  impingidas pelo traidor Temer serão canceladas.

E duvidamos que, diante dos fatos novos surgidos de corrupção no congresso, todos os juízes estejam dispostos a compactuar com a quadrilha de vigaristas que tomou o poder.

Vejam o vídeo recente da delação do doleiro Funaro. Ele afirma, com todas as letras, que Eduardo Cunha, então presidente da câmara de deputados, pediu dinheiro para subornar parlamentares  com intuito de  apoiarem a  derrubada do governo legalmente eleito.

Será possível que a maioria do STF não esteja nem aí para suas autobiografias? Será que não se importam em se sujar defendendo marginais? E seus descendentes? Será que a maioria não se preocupa com o estigma de golpistas que netas, netos, filhas e filhos possivelmente carregarão pela vida toda? É complicado acreditar que sejam assim.

Atualmente coletamos assinaturas para pressionarmos o Supremo.  Eles têm obrigação ética, moral, constitucional e profissional de julgar esse MS e nós temos que pressioná-los sim.

 No dia “D” do golpe, quem estava presidindo a sessão? Ricardo Lewandowski, presidente do STF. Pois então, se ele serve para presidir, não pode se omitir. O STF já prendeu, suspendeu, cassou  senador e deputado e, se agora, vier com o discurso que não pode se intrometer no outro poder,  ficará evidente a participação no golpe e demonstrado a covardia de seus membros.

Nós somos as  vítimas do golpe, os que estão perdendo emprego, os que estão deixando de estudar, os que estão ficando sem atendimento médico, sem moradia e  sem direitos. 

Nós, do MNAI,  apoiamos qualquer manifestação de combate ao golpismo. Temos alguns parlamentares defendendo a luta pela anulação do impeachment, mas apelamos à todas as lideranças da  CUT, MTST, MST, PT  que fortaleçam nossa batalha.  Durante o cerco do congresso apanhamos, levamos spray de pimenta, bala de borracha,  bombas de gás. E mesmo diante dessa repressão, gritamos pela anulação e por diretas. Com a volta da Dilma teríamos  garantia de  novas eleições.  Precisamos de ajuda. Precisamos fortalecer o movimento e gostaríamos que todos divulgassem nossa Ação. 

Acessem nossa página, baixem o formulário. Coletem assinaturas, nos pontos de maior movimento em sua cidade.  Abram comitês, saiam do mundo virtual. Venham para a rua esclarecer os fatos, conversem com as pessoas. A mídia virtual é boa até certo ponto, passou dele, ela se torna um agente de acomodação. A pressão está no irmos às ruas. Gritar. Fora golpista! Viva a democracia! Audácia. Precisamos ser audaciosos. Façamos história.

Temos que derrotar o golpe, não há outra saída. O tempo trabalha contra nós.

https://www.facebook.com/causaMNAI/

Caixa Postal 6104 – CEP 70740-971 BRASÍLIA – DF

TWITTER:  @causaminai

Anúncios

Depois de Funaro, o STF continuará omisso em relação ao Golpe?

Após revelações de Funaro, de que Cunha pediu R$ 1 milhão pra comprar deputados e garantir o golpe de estado, o que falta agora para o STF julgar e anular o Impeachment fraudulento?

Dos três poderes da república sobrou um que pode reverter esse quadro de anarquia que se configura, o judiciário. Os outros estão envolvidos até o talo com o golpe.

Sobre os ombros do STF está a responsabilidade histórica de trazer o Brasil à normalidade democrática.

Presenciamos a destruição do Brasil como uma nação. O governo do traidor Temer optou pelo retrocesso econômico, político e social. Voltaremos a ser um simples  entreposto comercial.

Alexandre de Morais está com Mandado de Segurança engavetado há meses. Muitos acreditam que o MS não será nem julgado, pois, como dizem os advogados, em 2018 depois da eleição perde-se o objeto do processo. Isso é de um absurdo sem tamanho. Principalmente se levarmos em conta que estamos falando de um país de 209 milhões de habitantes. De uma das maiores democracia. Líder da América do Sul. E um dos mais injustos.

 A não ser que o STF esteja realmente envolvido com o golpe. Ou por simpatia à quadrilha usurpadora. Ou por ódio, preconceito e asco ao Lula, à Dilma, ao PT e a tudo que remeta à palavra esquerda. Ou, o  que seria catastrófico, recebeu dinheiro para dar um aspecto legal à patifaria dos canalhas. Será que os 11 ministros se prestariam a esse papel escroto? Não quero crer, apesar de vivermos tempos pré-fascistas.

A delação foi tão forte que houve um princípio de atrito entre os corruptos pela sua autoria. Cunha reclamou de que Funaro “roubou” sua delação. O bicho deve ter ficado bravo. Se cuida Funaro.

Então STF, escolha seu lugar no trem da história.

josé Celso de Melo, marco aurélio mendes de Farias Mello, gilmar Ferreira Mendes, enrique Ricardo Lewandowski, carmen lúcia Antunes Rocha, josé antonio Dias Toffoli, luiz Fux, rosa maria weber Candiota da Rosa, luís roberto Barroso, luiz edson Fachin, alexandre de Morais ministros do Supremo escrevi os seus primeiros nomes em minúsculo para alertá-los de que, dependendo das escolhas ou do comportamento acovardado, suas máculas serão transmitidas a seus descendentes. E não será uma globo que dará jeito nestas nódoas.

Nós do Movimento Nacional pela Anulação do Impeachment (MNAI) estamos lutando para que a verdade, a justiça, o respeito à constituição e à democracia voltem a imperar no Brasil. Papel que caberia a vocês.

Estamos coletando assinaturas para mostrar ao STF que a população quer que o Mandado seja julgado, em tempo. A ação que fazemos é presencial. A assinatura é no papel. Nada Virtual. Temos Caixa Postal. Estamos nas ruas. Damos nossa cara para bater. Enfrentamos bolsonaristas, fascistas, MBListas. Recebemos aplausos, elogios,  xingamentos, ameaças e indiferenças. Mas continuamos na luta. Temos nosso valor. Somos cidadãos comuns indignados com o golpe. Suprapartidários.  Assim como o ódio alimenta os golpistas, coxinhas e demais monstros a revolta com os criminosos nos fortalece.

Agora é com vocês. O mesmo Funaro disse que o STF e Janot, ex-PGR,  sabiam de todas as sacanagens contra o governo Dilma Rousseff e que ficaram na moita. Será verdade?

Nosso trabalho continua.

A respeito da nota do PT: o partido pode estar certo ou errado.

Dependendo do lado que se olhe, o PT está certo, ou o PT está errado a respeito da nota emitida sobre a suspensão do mandato de senador de Aécio Neves pelo STF.

Vamos discorrer a partir do ângulo de visada de 90% da população, ou seja, dos vulneráveis.

Qual o objetivo do PT emitindo uma nota em defesa do mandato de Aécio Neves, mesmo de forma indireta?  Como o partido conseguiria explicar às pessoas tal atitude? Como nós explicaríamos ao cidadão comum, aquele que só lê as chamadas de capa, a atitude do PT? Tem como?

Não, não precisa explicar, eu só queria entender! como dizia o macaco Sócrates, no saudoso humorístico “Planeta dos Homens”.

Não importa se  estão certos ou errados. Se são republicanos ou não. Se estão em defesa da legalidade. Nada disso tem relevância.

Esculhambaram, com toda razão, o gangster Aécio Neves, só que no final sopraram. Pra não doer tanto, foi isso? Baratas, o PT virou um bando de baratas, é isso? Não me venho com palavras bonitas e inúteis.

Quando parecia que os tempos do Partido dos Trabalhadores seriam outros com a senadora como presidente eis que os erros de avaliação persistem, iguaizinhos ao de seu antecessor, Rui Falcão. O que vemos é a continuação da mesma política esdrúxula. Quando José Dirceu, Genoino, Vaccari ou a Dilma precisaram dessa rapidez de resposta o partido foi uma lesma. Foram a favor da cassação do mandado do Cunha pelo supremo, lembram-se? Diferente do que fizeram agora com o moleque. Sem desculpas e especulações.

O real é que com essa postura mais uma vez fica visível a enorme distância que existe  entre o PT, a militância, as bases sociais e a população. O seus dirigentes perderam a sensibilidade em perceber o que se passa no Brasil real.

A nota dá a entender que os parlamentares petistas acham, pensam, creem, imaginam que os senadores irão cassar o mandato do irresponsável e, portanto, não é bem-vinda a intromissão do STF no congresso. Chamaram pra si a responsabilidade para cuidar desse caso.

Bem, sinto muito pessoal, vocês estão redondamente enganados. O congresso formou uma quadrilha do mal. Corruptos, entreguistas, fundamentalistas, escroques campeiam em suas pradarias verdejantes.

O Temer, outro notório corrupto, está na berlinda e fará de um tudo para evitar a perda do mandato do Aécio. Não por bondade ou lealdade, pensando sim em conseguir apoio do PSDB e evitar que ele mesmo seja cassado. Marginal com Marginal se entende, certo?

Não é difícil inferir que as forças atuam contra a justiça, a ética e a dignidade.

No Brasil das ruas é complicado explicar o porquê do partido sair em defesa do moleque. Já ouvimos, lemos em vários artigos que a maioria da população só vê a manchete. Poucos leram a nota na íntegra ou irão ler. Pois bem, a manchete diz que o PT saiu em defesa de Aécio e ponto final. E amanhã é outro dia.

Se os coxinhas se escondem da própria ignorância afirmando que os políticos são todos iguais, depois desse relato então, os argumentos deles ganharam força. E consequentemente os nossos perderam força. Que bonito! Nós, militantes, simpatizantes nos transformamos em pais tentando explicar os malfeitos dos filhos. Não é bem assim…vocês tem que compreender… a política as vezes…

Oras! Quem sabe que o senador é um canalha, que foi o responsável pelo golpe, pela desestabilização do governo Dilma, pelo desemprego, pela perda de direitos, que tripudiou  com a democracia ficou aturdido, pasmado e indignado com mais essa atitude da direção do partido. Os brasileiros sabem que o Aécio não vale o que come. Nem os tucanos defenderam o sujeito com tanta presteza.

As pessoas ficam perdidas. A Globo martelando diuturnamente que o Lula é ladrão, que a Dilma não presta e que os ladrões são petistas e portanto todo petista é ladrão. Aí vem a vítima dessa infâmia e se posiciona contra a suspensão do corrupto. Como vocês acham que fica a imagem do PT perante a população?

Oras bolas! Só analisam de cima pra baixo, esquecem os anseios das massas. Só agem academicamente, dentro da lei. Mas a lei e a constituição estão sendo estupradas todo o santo dia!

Bem, não custa repetir, os golpistas não são adversários políticos, são inimigos. E assim devem ser tratados. Se vocês acham que não, por favor, ao menos trate-os dessa forma por nós. Nós, os afetados pelo golpe de estado. Nós estamos perdendo direitos trabalhistas, estamos ficando desempregados, passando fome, morando na rua, perdendo o direito de estudar, de sonhar, sem amparo, sem saúde. Tenham consideração pelo povo ao menos.

Ou dá muito trabalho?

Intervenção Militar, não! A verdadeira luta nem começou.

O general Mourão é um oficial sem tropa. E oficial sem tropa para o exército tem tanta valia quanto um piloto “asa quebrada” para aeronáutica ou um almirante impedido de navegar para marinha. O sujeito vira um simples funcionário, encostado. Não apita mais nada.  Seu destino é virar porta-voz ou um burocrata. E é nisso que se transformou o general, um porta-voz. 

E só disse o que disse porque o alto escalão permitiu ou no mínimo se omitiu. Tanto que não houve por parte do comando do exército um desmentido ou reprovação. Certo que a punição de oficiais vem em documento confidencial. Porém neste caso foi um pronunciamento público, portanto o público espera uma resposta condenando tal atitude. 

Ou exigimos um posicionamento contundente por parte das forças armadas ou podemos esperar pelo pior, intervenção militar. Erros do passado cometem-se na atualidade. O golpe, por mais vigarista e bem arquitetado que tenha sido, ilude apenas aos que querem ser iludidos ou os que têm interesses mesquinhos.

Sabemos que temos um governo ilegítimo, entreguista e acima de tudo canalha. Um presidente acusado de ser ladrão e chefe de quadrilheiros. Ministros denunciados na Lava Jato. Congressistas bandidos. Mídia golpista e hipócrita, justiça e MPF parciais. Uma sociedade machista. Uma elite covarde e egoísta. E americanos babando por nossas riquezas.  E apesar deste quadro de caos a esquerda e os progressistas não podem, nem de longe, cogitar que uma intervenção militar, em qualquer grau, seja uma saída ou uma alternativa ao golpismo. 

Há um consenso que durante os 13 anos do PT no palácio as autoridades cometeram um grande e fatal erro: não politizaram e nem esclareceram aos cidadãos, em especial aos mais jovens, o que significava as políticas de inclusão social, educacional, econômica e de saúde. Os benefícios que as mudanças trariam ao país e as diferenças em relação às políticas neoliberais. Deixaram o barco correr solto. Este esquecimento resultou no que se viu, na hora do “pega pra capa” as pessoas, inclusive as que se beneficiaram dessas políticas, ficaram perdidas, atônitas e se tornaram presas fáceis dos marginais. Assimilando com virulência os discursos rasteiros de combate à corrupção e se voltaram contra Lula/Dilma.

A mesma desatenção aconteceu com as academias militares. Tanto Lula como Dilma não se preocuparam em adaptar aos novos tempos a formação dos oficiais. A AMAN, AFA e EN continuam a graduar militares nos moldes da ditadura. Portanto, é mais fácil encontrar “bolsonaros” entre seus quadros do que progressistas.

Pra quem tem lá suas dúvidas, as OM´s comemoram a “Revolução” no dia 31 de Março. Eles não veem e nem admitem que foi golpe em 64. Por que veriam de outra forma se nenhum dos seus professores ensinam diferente?

Marechal Lott atuou evitando um golpe. Alguém viu o General Villas Boas tomar uma posição antes do golpe? Permaneceu neutro. Um verdadeiro soldado. Viu a sua comandante em chefe ser massacrada e… silêncio. Imaginem se ele declarasse, na ocasião, apoio irrestrito a Dilma, talvez o golpe tivesse sido abortado. Agora troquem o nome da presidenta por Temer, percebem a força deste apoio?

E se alguém acha que os tempos são outros digo, o alto escalão das forças armadas é composta na sua totalidade por homens brancos, num país de mestiçagem pronunciada, como sempre foi. Até os americanos reclamaram dessa aberração. Isso diz algumas coisas da mentalidade que campeia no meio militar, certo? Preto só vamos encontrar praticamente de suboficial pra baixo.

Hermann Hess, prêmio Nobel de literatura, certa vez afirmou que o burguês é essencialmente um covarde por isso precisa da polícia e do exército. Em 90 um diretor de empresa teve sua poupança confiscada pelo plano Zélia Cardoso desesperado gritou pelos militares um covarde. Fazia um mês que Collor tinha sido eleito. Esse cara apoiou o Fernando. E agora fazemos a mesma coisa? Somos covardes, imaturos, idiotas? Este é problema da sociedade civil e civis têm que resolver. Temos que sair às ruas aos milhões. Escrachar a Globo, a Veja, a IstoÉ , o PIG. Invadir o congresso. Greves. Desobediência civil. Pressionar o STF.  Não fizemos um décimo do que podemos ainda fazer. Não utilizamos nenhuma de nossas possibilidades de pressão. A situação está feia é certo, mas já vamos apelar? Se ficarmos sob as asas dos militares nunca cresceremos, nunca!

Nós somos um país com mais de 200 milhões de pessoas, 90% pobre. Vamos transformar isso aqui numa jogatina? Se o Boas for um nacionalista e tiver um projeto de recondução dos progressistas ao poder será muito bem-vinda a intervenção. Que bom! A sorte está lançada. E se cair o outro lado da moeda? E descobrirmos que o general é um lobo na pela de cordeiro, o que faremos? Ele tem armas, nós não. Alguém tem ideia de como vamos tirá-lo do palácio do planalto?

E apoiar intervenção militar é como aquele cara que ameaça matar a mulher dizendo que se ela não for dele, não vai ser de mais ninguém.

Saia do sofá!!

O Carnaval coloca milhões nas ruas. A Parada LGBTS outros tantos. O futebol arrebata milhões.

O Carnaval atrai pela festa, a Parada por uma causa, o futebol pela paixão. Em comum  o entusiasmo.

Por que não conseguimos colocar milhões pra dizer não ao golpe? Falta de entusiasmo? De conhecimento ou desânimo mesmo?

Motivos para tomar as vias públicas há. Sem entrar em detalhes, os usurpadores estão acabando com os direitos trabalhistas, sociais, educacionais, higiênicos. Vendendo riquezas, que não lhes pertence, doando estatais e se prostituindo para os EUA.

O presidente ladrão comprou os congressistas corruptos, uns 20 bilhões, pra se livrar do processo de corrupção. De onde tira o dinheiro?  Do nosso bolso. E terá que comprar os deputados novamente. A segunda denúncia de ladroagem foi remetida  para a câmara.

O que está acontecendo com as pessoas desse país? Com as lideranças?  Não vamos lutar contra esses canalhas? Ou procederemos como cachorros, que sem mesmo ganhar um biscoite de volta, abana o rabinho?

Será o temido e arrasador “efeito sofá”? Sim, sofá!  Aquele mobiliário que adorna a sala de várias residências. E que um dia, já faz muito tempo, era móvel que só privilegiados possuíam, hoje indispensável ao conforto.

O  sofá te deixa relaxado, protegido. Numa zona de conforto e com a guarda baixa. Aí entra a televisão e seu poder hipnótico devastador.  Só desgraça.

O Brasil não é mais governado pelo PT, por Dilma ou  por Lula, mas é o prato do dia. De todos os dias. E martelam, martelam, martelam os pregos da alienação, da tristeza e do desânimo.

A inércia, o medo  e o conformismo trabalham a favor dos marginais que tomaram o poder.

Se não derrubarmos, agora, este governo golpista e bandido  pagaremos durante muitos anos pela subserviência diante do que está acontecendo neste momento com o nosso país.

Vamos participar das manifestações, protestar, assinar a ações  populares, gritar, esbravejar. No mínimo ninguém poderá nos acusar de negligência.

E vocês jovens o que estão esperando? Onde está a chama da revolta? Os fascistas do MBL estão fazendo e acontecendo. Eles não ficam só no blá-blá-blá.  Encerram exposições artísticas, proíbem peças de teatro,  interrompem debates. Só falta refundarem o CCC, Comando de Caça aos Comunistas, dos anos da ditadura.

Vamos gritar não! Vamos dar um basta! Vamos nos levantar do sofá! Desligar a Globo de nossas vidas!

Ou brigamos ou brigamos!

Lula frente a frente com o inquisidor Sérgio Moro, outra vez.

Dia 13 de Setembro ,  Lula se encontra com o inquisidor Sérgio Moro. Ele terá que explicar porque  o terreno que não é dele não é dele, nem do Instituto Lula. É surreal, mas é isso aí.

Tempos difíceis, sem lei. Ou com muitas leis para alguns e sem lei para outros. Depende da cara do freguês.

Como nos bons tempos da inquisição a prova do delito era conseguida sobre tortura ou sobre ameaça. Método legalizado.

Tínham o Polé. O prisioneiro era içado pelas mãos, amarradas para trás, com um peso atado ao  pé o carrasco dava solavancos. A deslocamento do ombro provoca dores lancinantes.

O Potro. O coitado era amarrado numa mesa, tinha os pés e mãos amarrados. E aos poucos eles iam apertando as amarras até que o réu confessasse. Não raras vezes o torturado tinha a carne rasgada e os ossos esmagados.

Bem, diante dessas ameaças e para evitar os flagelos muitos diziam exatamente o que os acusadores queriam ouvir. Chegando, na maioria das vezes, a delatar quem não tinha nada a ver com o caso. Como não se exigia provas, o novo delatado era preso e sofreia as mesmas sevicias.

Por isso o processo contra o Lula está mais para esses atos de ofícios do que para um processo kafkaniano.

Os delatares atuais por medo ou por falta de escrúpulos dizem exatamente o que os inquisidores querem ouvir.  O importante é se livrar da cadeia e voltar ao seu mundo de fausto. O tribunal não pede comprovação. A palavra do bandido tem fé pública para eles e dependendo do caso.

Recentemente Antonio Palocci deu demonstração de como a coisa funciona. Sabedor de que Moro queria algo contra o Lula o ex-ministro não teve dúvidas, falou que o ex-presidente sabia de tudo, era o chefão da quadrilha. Dedou Dilma, o PT.

Provas? Nenhuma. Ouvi dizer, um passarinho me contou. E como não acreditar num sujeito que era homem forte do governo Lula?

Será que um cara sobre tortura diz a verdade, e somente a verdade? O Sérgio, os procuradores não desconfiam que o elemento pode estar mentindo? Claro que eles têm ciência dessa possibilidade  Mas não faz mal, as denúncias soam como música aos ouvidos do bando, ao mesmo tempo em que lastreiam suas parcialidades que envolve o caso.

Nem se importam em ameaçar, acossar familiares ou amigos dos acusados. Não há limite.

Quando o Papa Gregório IX nomeou o primeiro inquisidor, em 1231, lhe aconselhou: “Não perseguias os perversos a ponto de ferir os inocentes”. Conselho dado, conselho desprezado.

Moro, procuradores, delegados de tanto ameaçar a família e amigos do ex-metalúrgico que provocaram a morte de Dona Marisa. E olha que Lula nem perverso é. A vaidade é tudo para a turma do lava-jato.

E amanhã em Curitiba temos mais um capítulo dessa loucura que tomou conta do país.

Lula estará frente a frente com seu inquisidor. Já sabendo que tudo que falar em sua defesa entrará por um ouvido e sairá pelo outro. Perda de tempo e de dinheiro. A força tarefa não quer saber da verdade e sim em entregar o pacote.

Mas uma coisa fica evidente, o homem Lula é de uma força incrível. Com quase 72 anos, perseguido, vilipendiado, caluniado  não desiste de suas lutas e crenças. Em caravana pelo Brasil, espalha esperança que dias melhores virão.

Certamente encontra vigor no povo que o ama. Se não fosse isso já teria sucumbido.

Então vamos comparecer em massa dia 13, amanhã, no tribunal do Moro, na capital do Paraná. Vamos dizer não à continuação do golpe.

Todo apoio ao maior líder que o Brasil já produziu.

Querem saber o futuro do Brasil? Olhem para o Rio de Janeiro.

A cidade maravilhosa sempre  foi e será referência para o país.  Dotada de um visual deslumbrante, um povo hospitaleiro e alegre. Belas praias. Montanhas.

Hospedou grandes chefes de estado, intelectuais, reis e rainhas. Atores e músicos “hollywoodianos”.  Conhecida mundialmente pelo turismo.

Moradia e passagem obrigatória para escritores, compositores, artistas plásticos, poetas, músicos, sambistas, passistas, cordelistas, boas-praças, malandros. Teatros, museus abertos e fechados.  Prédios antigos nos remetem ao século passado e ao retrasado. Machado de Assis, Lima Barreto. Passeando pelas  ruas  cariocas respiramos história da nação. Joaquim Nabuco, Marechal Deodoro, Getúlio Vargas.

Dita maneirismo, moda, tendências culturais. Berço do samba, da bossa nova, do funk. Dos grandes eventos. Já recebeu duas finais de copas de futebol e uma olimpíada. O rock-in-Rio.

O Rio de Janeiro é um imenso laboratório para testes e experimentalismos. Quem deseja se firmar passa por seu crivo.

Esta é a parte boa. Existe, claro, a ruim.

A corrupção, o golpe de estado e a crise mundial deixaram o estado combalido.

 E, como se sabe, a fraqueza atrai os aproveitadores, os predadores, os maus intencionados. Escroques, hipócritas e canalhas rondam a carcaça dos fluminenses.

Os bandidos também sabem do potencial desta cidade, do seu povo. E nela perpetram suas maquinações. Não me refiro ao tráfico, aos assaltos, à segurança pública, e sim aos corruptos, aos golpistas, aos verdadeiros facínoras que tomaram o poder à base da vigarice e agora vendem e destroem uma nação.

Os marginais, como vampiros, sugam a força vital dos moradores do Rio. Arrasam o estado. Sem dinheiro, desviado para bolsos do alheio, não pagam os funcionários. Não investem.

O funcionalismo ficou meses sem receber. Algumas categorias estão recebendo de forma parcelada.

Evidentemente que quando o cidadão fica sem receber a situação se agrava. Atrasa aluguel, escola, contas. A sua vida se torna um ato de desespero.  Mesmo as pessoas com viés direitistas se sentem compelidas a participar de manifestações. E a tendência é recrudescer os protestos.

Este cenário de pré-convulsão serve de estudos para usurpadores. Pois eles têm ciência que as medidas tomadas pelo traidor Temer são impopulares e de uma hora para outra podem gerar revolta.

Então, com a frieza que só os canalhas possuem, estudam, vigiam o comportamento dos cariocas diante do aperto. Igual a sessão de tortura em que o médico diz ao carrasco se pode continuar as sevícias ou tem que dar um tempo, os golpistas também vão testando os pacotes de maldades.

Colocaram o exército nas ruas, segundo dizem,  para socorrer a polícia em caso de precisão. Combater a criminalidade e garantir a segurança pública. Pode até ser que prestem este serviço, mas também podem reprimir uma manifestação. A inteligência das forças armadas está aí pra isso, ou não?

Em entrevista a IstoÉ,  Raul Jungmann, ministro da Defesa, quando perguntado se os traficantes perderam o medo das forças militares afirma: “Como já disse, tanques e tropas nas ruas, crime de férias, o que dá uma sensação passageira de segurança. Portanto, não se trata de o crime perder o medo das Forças Armadas ou não. O crime organizado com base no tráfico de armas, drogas – e até de pessoas – ganhou dimensão transnacional. Quando chega nesse estágio, ele desafia o Estado. É disso que se trata no Brasil, de forma mais aguda no Rio, porque lá o conjunto da obra produziu um quadro de falência fiscal, com o crime incrustado no Estado, capturando instituições. É o estado paralelo. Demarcaram territórios. São quase 850 comunidades sob o controle do tráfico.”

 

Bom, diante do que diz o Raul se a revolta, que pode ser da população, desafiar o estado  teremos um exército já treinado e pronto para a guerra contra os brasileiros.

Continuando com o laboratório Rio de Janeiro.

Os “Josef Mengeles” federais fizeram o seguinte:

Em troca de sanar a grave crise financeira o governo golpista  assumiu a direção do estado. E impôs medidas de austeridade que, óbvio, atinge em cheio o cidadão comum.

O acordo: te emprestamos dinheiro e vocês fazem o seguinte: acabem com as empresas públicas, se não for o suficiente pode exterminar a  UERJ. Aumentem a arrecadação, pode ser elevando os impostos. Demitam os comissionados e servidores, mesmo que prejudique o atendimento à população. Aumentem a contribuição previdenciária e criem para os inativos que ganham acima do teto.

E aí os golpistas vão ver o que acontece. Se não houver reação à altura, apertarão o cinto um pouco mais. E assim vão observando até onde vai a paciência dos nativos.

Lembra o FMI dos áureos tempos de FHC. Onde  representantes dos banqueiros internacionais iam ao palácio do Planalto e subiam pela rampa. Com direito a continência e tudo. Os donos chegavam e lá encontravam um presidente totalmente subserviente. Igual ao MT.

É o que vai acontecer com o Brasil. Caminhamos para ficar sem dinheiro. O golpista recorrerá ao FMI. A troika então assumirá o governo brasileiro.  E se reclamarmos os militares estarão a postos para garantir a ordem pública.

É o triste fim de um país chamado Brasil.